O atacante Silas Brindeiro está enfrentando o adversário mais duro de sua vida. Com passagens por Náutico, Brasiliense, Capivariano e #Guarani, o jogador de 29 anos está internado na cidade de Piracicaba com #Leucemia e luta para encontrar um doador de medula óssea.

A doença foi descoberta durante exames médicos quando fazia pré-temporada com o time de Capivari há dois anos. Depois de um tempo, a doença parecia ter regrido, no entanto, ele foi diagnosticado com câncer há cerca de dois meses. Desde então, vem fazendo quimioterapia e está esperando um doador. Em entrevista a um site esportivo do interior, o jogador diz estar desesperado.

Publicidade
Publicidade

Ele explica ainda que a quimioterápica resolve a situação por um tempo, mas precisa de um doador para manter-se vivo.

Ex-Santos também enfrentou a doença

Em 2000, também durante exames de pré-temporada, o volante Narciso, então no #Santos, descobriu que estava com Leucemia. O jogador teve que passar por um complexo tratamento e após cinco meses se submeteu a um transplante de medula. Depois de longa recuperação, voltou aos gramados em 2003, durante um jogo do Santos contra o Coritiba, no Couto Pereira, pelo Campeonato Brasileiro. Curiosamente a cidade da volta ao futebol foi a mesma em que ele foi transplantado. Em 2005, encerrou a carreira para virar treinador. Primeiro no sub 20 do próprio Santos. Depois passou por times do interior de São Paulo e recentemente fechou contrato com o ABC de Natal.

Publicidade

A doença

A Leucemia é uma doença maligna com origem nas células imaturas da medula óssea. A produção de glóbulos brancos fica descontrolada e o funcionamento da medula óssea saudável torna-se cada vez mais difícil, diminuindo progressivamente a produção de células normais. Os principais sintomas são anemia, infecções e hemorragias.

A cada ano aparecem entre 60 e 100 casos por milhão de indivíduos. A Leucemia Linfoblástica Aguda é mais comum entre crianças e jovens, enquanto que a Leucemia Mieloblástica Aguda ataca mais pessoas na idade adulta. Já pessoas Leucemias Crónicas atinge pessoas na faixa etária entre 40 e 70 anos