League of Legends já é definitivamente comprovado como o maior público gamer do Mundo, ultrapassando mais de 60 milhões de usuários mensais e 5 milhões simultaneamente. Para maior esclarecimento, o game consiste em batalhas contra inimigos reais (online) e destruição de torres. No decorrer do game se deve conquistar o maior número possível de objetivo para que assim facilite a destruição da base inimiga e saindo vitorioso.

O game já é considerado um esporte, deixou de ser apenas um jogo e virou uma profissão. Ele movimente milhões de dólares anuais, e os profissionais chegam a ganhar 20 mil reais mensais.

Recentemente a Riot Games, desenvolvedora oficial do jogo, vendeu os direitos autorais de streaming (transmissão ao vivo) para a BAMTech criada pelo Major Baseball, no valor de 1 bilhão de dólares.

Publicidade
Publicidade

Esse acordo foi decretado até o ano de 2023.

Os torneios do jogo que gera milhões de acessos, atualmente é reproduzido pela Twitch e YouTube e distribuídos a terceiros. Porém devido ao acordo a principal rede de streaming passará a ser a BAMTech, distribuindo a terceiros. Juntamente com o acordo, ela vai laçar um aplicativo móvel para facilitar o acesso, assim como possui as diversas redes de transmissões.

O mundo do E-sports está tão valorizado que empresas como NBA e o time PSG aderiram a ideia e hoje promovem e patrocinam equipes de League of legends. A Turner, rede americana de televisão, fundou uma liga chamada ELeague que conta com os #Jogos também conhecido chamados Overwatch e CS:GO.

Por mais bárbaro que seja, o co-fundador da Riot Games afirmou que embora o grande público não se deve ser necessariamente o mesmo lucro.

Publicidade

Ele afirma que o lucro ainda é pouco perante a tantos investimentos feitos na infraestrutura do jogo.

Diante do acordo, a empresa Riot espera garantir maior controle das transmissões de LoL a partir do ano que vem junto com a BAMTech, ela afirma que irá garantir mais dinheiro com patrocínios e publicidade. Informações divulgadas pelo The Wall Street Journal, diz que caso o lucro ultrapasse da casa de 300 milhões, o dinheiro vai ser dividido com as companhias.