Em meio a tanta dor e lágrimas, surgem motivos para sorrir. Jackson Follman, goleiro reserva da #Chapecoense e que nos primeiros dias após o acidente estava em uma situação grave, correndo o risco de amputar o pé esquerdo, além de parte da perna direita, que precisou ser amputada, teve uma melhora surpreendente.

O jovem não necessita mais de aparelhos para respirar, desde o sábado, 3, e conversa com os familiares e amigos. Follman sabe da tragédia e que por conta do acidente, os médicos precisaram amputar uma parte de sua perna direita. O jogador, demonstrando uma força e maturidade que surpreendeu os médicos, foi claro ao dizer que prefere a vida à perna.

Publicidade
Publicidade

No último domingo, em reportagem exibida pelo programa Fantástico, da TV Globo, um áudio do atleta foi divulgado. Em poucos segundos, o jogador avisa aos brasileiros que está bem e que vai sair daquela situação.

Ouça o áudio, apertando o play abaixo:

Seis vidas marcadas para sempre

Em um voo com 77 pessoas, apenas seis conseguiram se salvar. Erwin, técnico do avião e Ximena, aeromoça, foram os que menos se feriram fisicamente, mas que jamais vão esquecer a experiência vivida.

Alan Ruschel, também jogador da Chapecoense, realizou uma cirurgia de emergência para evitar que perdesse os movimentos das pernas. Também já está consciente e ansioso para deixar o hospital. No domingo, 4, um psicólogo contou para ele o que havia acontecido. Ele ficou chocado e segundo sua irmã, o atleta ficou muito agitado a noite.

Publicidade

A moça também disse que ele concluiu que ter sobrevivido a um acidente tão grave foi um milagre de Deus.

Rafael, jornalista de Chapecó, também teve uma significativa melhora e já conversa com seus familiares. Como ele teve lesões nas costelas, ainda precisa de cuidados especiais, mas deve melhorar mais nos próximos dias.

Por enquanto Neto está sedado, mas se recupera bem e os médicos consideram que ele não corre mais risco de morte. O motivo da sedação é fazer com que o atleta descanse o máximo possível. Segundo os médicos, o jogador abre os olhos, mas por estar sedado, logo dorme novamente. A sedação deve ser retirada entre hoje e amanhã.

Não existe um prazo para que os quatro brasileiros voltem ao Brasil. Os médicos informaram que eles estão sendo muito bem tratados e não tem necessidade de trazê-los para o país, por enquanto. O que for urgente, será feito na Colômbia, depois, quando estiverem fora de qualquer risco, poderão vir para o Brasil concluir o tratamento. #ForçaChape #Resenha Esportiva