Após ter uma parte da perna amputada, o goleiro Jackson #Follmann segue em recuperação no Hospital San Vicente Fundación, em Medellín, na Colômbia - palco do trágico acidente da semana passada envolvendo a delegação da #Chapecoense. Nesta quarta-feira, em entrevista publicada pelo portal Globoesporte.com, o primeiro policial a chegar no local dos destroços revelou um pedido emocionante feito pelo jogador.

O sargento Nelson Bermudez foi o primeiro a encontrar o avião destruído na região chamada de Cerro Gordo, em uma área montanhosa e de difícil acesso. Justamente pela dificuldade de ingressar no local da tragédia, as autoridades colombianas pediram para que civis que tivesses carros 4x4 auxiliassem no resgate.

Publicidade
Publicidade

Bermudez foi o primeiro a ver o goleiro Jackson Follmann estirado no chão e escutou um pedido que emocionou muito: "Me tire daqui! Eu não quero morrer!", suplicou o jogador ao policial. Na sequência, ele foi um dos seis sobreviventes resgatados e encaminhados a hospitais da região. Outras 71 vítimas não tiveram a mesma sorte e acabaram falecendo com a queda da aeronave da empresa Lamia, que caiu por falta de combustível.

"Com certeza é algo muito triste para todos nós policiais que estivemos na área. É uma coisa que acaba até nos deixando sem palavras diante de uma situação tão grave como foi essa. Chegar nesse local e encontrar vários jogadores, além de jornalistas renomados e conhecidos, todos eles já sem vida, é algo muito, mas muito duro. E também é bem difícil de superar", resumiu Bermudez.

Publicidade

Além de Follmann, os tripulantes bolivianos Erwin Tumiri e Ximena Suarez sobreviveram à queda e têm quadros clínicos mais estáveis que os demais. O lateral Alan Ruschel, o zagueiro Neto e o jornalista Rafael Henzel seguem hospitalizados, sendo que o quadro de Neto ainda é o que mais inspira cuidados segundo a equipe médica. Ele foi o último sobrevivente a ser resgatado e ficou mais tempo com os ferimentos expostos no local do acidente da aeronave. Ainda não há previsão de quando os pacientes voltarão ao Brasil.