O início desta semana foi de fortes emoções para o zagueiro #Neto, da #Chapecoense, um dos seis sobreviventes da tragédia aérea que vitimou a delegação do clube catarinense no final do mês passado. Nesta segunda-feira, 13 dias após o acidente, o jogador foi informado das mortes e dos detalhes do triste episódio pela equipe médica que o atende na Colômbia.

Ao todo, 71 pessoas morreram no desastre ocorrido nos arredores de Medellín, em uma localidade chamada de Cerro Gordo. O avião da empresa Lamia sofreu pane seca e acabou caindo pela falta de combustível. Dois tripulantes bolivianos se salvaram, além do jornalista Rafael Henzen e dos jogadores Alan Ruschel, Neto e #Follmann.

Publicidade
Publicidade

Os dois últimos, aliás, tiveram uma conversa emocionante ainda no hospital colombiano.

Follmann foi o primeiro a retornar ao Brasil ainda nesta segunda-feira. Antes disso, esteve com o zagueiro Neto, que disse a ele: "Comemore a sua vida. Nós sobrevivemos, comemore a sua vida", disse. O relato foi feito pelo médico Carlos Mendonça, que também teve a árdua tarefa de revelar a Neto os detalhes do acidente.

Mendonça afirmou que o zagueiro a todo momento perguntava por membros da delegação, mas, lamentavelmente, todos eles tinham perdido a vida no acidente na Colômbia. Abalado ao tomar consciência dos acontecimentos, Neto apresentou uma melhora clínica e já respira sem aparelhos. Contudo, ainda não tem uma previsão de alta por parte da equipe médica que tem o assessorado. Ele se recupera de lesões variadas no corpo e de uma infecção pulmonar.

Publicidade

Nesta terça, dois outros sobreviventes iniciaram o seu deslocamento ao Brasil. O jornalista Rafael Henzel e o lateral-esquerdo Alan Ruschel deixaram o hospital San Vicente, em Rio Negro, para subir em um voo com destino final em Chapecó, Santa Catarina, cidade da Chapecoense. Um avião da Força Aérea Brasileira (FAB), com unidades adaptadas de terapia intensiva, estará a disposição dos sobreviventes. O goleiro Jackson Follmann já está internado no hospital Albert Einstein, em São Paulo.