Os esportes têm aquele poder de animar e alegrar alguém, bem como de inspirar uma paixão desenfreada em alguns, que acabam agindo de maneira irracional para defender ideias indefensáveis.

Essa triste realidade foi mostrada no último domingo, pelo próprio agressor. Bruno Vargas da Costa e seu amigo Antonio Neto, que segundo prints disponíveis em páginas esportivas do Facebook, seria um fuzileiro naval, hostilizaram e quase agrediram dois torcedores do Internacional, sendo que o mais hostilizado e escolhido como alvo de ofensas absurdas foi um senhor já idoso.

O que Bruno não imaginava era que nem mesmo os torcedores do seu clube do coração, o Fluminense, iam compartilhar daquele comportamento.

Publicidade
Publicidade

Milhões de críticas foram espalhadas pela internet, eventos foram criados para hostilizar os agressores, os dados pessoais de Bruno, como CPF, cartão de crédito, endereço, telefones e outras informações, foram escancaradas na internet.

Com muito medo de ser agredido em represália a sua atitude irracional, Bruno pediu desculpas em uma publicação, mas disse que cometeu uma gozação normal, em seguida, seu perfil na rede social, Facebook, foi retirado do ar. As ofensas surgiram por conta do Inter ter sido rebaixado para a segunda divisão. Piadas entre torcedores é algo natural, mas o que ocorreu foi uma ofensa aos direitos fundamentais da pessoa humana, cabendo ações nas esferas cível e penal.

O Fluminense também já foi rebaixado para a segunda divisão do Campeonato Brasileiro, assim como a maioria dos times que hoje estão na elite do futebol.

Publicidade

Atualmente, os únicos clubes grandes que nunca caíram para a segunda divisão do Brasileirão são Cruzeiro, São Paulo, Santos e Flamengo.

O Fluminense emitiu uma nota oficial dizendo que repudiava o comportamento dos torcedores e o Inter cogitou a hipótese de denunciá-los ao MP-RS. Nessa terça-feira, 13, os dois foram denunciados em seus estados de origem, o Rio de Janeiro.

O Ministério Público enquadra os torcedores em dois tipos penais, de forma que a soma das penas pode chegar a três anos de reclusão, além do pagamento de multa. Isso não descarta que o Inter os denuncie, bem como que os dois torcedores ofendidos no vagão de um trem da SuperVia, no Rio, iniciem uma ação penal privada e uma ação cível contra a dupla.

O vídeo divulgado por Bruno, foi republicado em várias páginas do Facebook e ao todo, já somam quase 20 milhões de visualizações. #Justiça #Resenha Esportiva #Campeonato Brasileiro