Na madrugada de Natal, o Vasco anunciou a contratação do meia argentino Damián Escudero, 29 anos, que estava no Puebla, do México, e já teve passagens pelo #Futebol brasileiro, ao defender Grêmio, Vitória e Atlético-MG.

Foi no clube baiano que Escudero viveu seus melhores momentos no Brasil. Ele esteve entre 2013 e 2015, foi campeão estadual logo quando chegou e foi decisivo na campanha de acesso à Série A do Campeonato Brasileiro, no último ano, ao anotar 18 gols e liderar o time rumo à elite.

A contratação de Escudero tem o dedo do gerente de futebol Anderson Barros, ex-dirigente do Vitória, que trabalhou com o atleta no clube baiano.

Publicidade
Publicidade

O setor que joga o argentino é um dos mais necessitados na visão da diretoria vascaína neste fim de ano.

O anúncio ocorreu pelas redes sociais e pelo site do clube nas primeiras horas do Natal, como o primeiro dos reforços que devem chegar neste fim de ano, como informa a nota assinada pelo presidente Eurico Miranda: “Negociações muito avançadas com outros jogadores continuam e devemos concretizá-las na próxima semana”.

Entre os desejos da cúpula cruz-maltina está em contar com o meia Diego Souza, que fez boa temporada pelo Sport, ajudando o time a se salvar do rebaixamento no Campeonato Brasileiro. Outro que pode chegar é o meia-atacante Alex Teixeira, cria da base do #Vasco e que está no futebol ucraniano.

O impasse de Nenê

Em meio a isso há o impasse em relação ao meia Nenê, 35 anos, destaque da campanha do acesso à Série A deste ano.

Publicidade

O atleta deseja morar em São Paulo para ficar mais próximo dos filhos. Há interesse do São Paulo, mas o salário seria um entrave para o momento. O Santos fez uma consulta informal, que não avançou.

“Eu vim para o Brasil para ficar mais perto dos meus filhos. Isso poderia ser um dos motivos para que eu aceitasse sair do Vasco. Voltei para o Brasil para ficar com meus filhos e, no Rio, não estou conseguindo”, disse Nenê ao SporTV.

Média de idade preocupa

Há também no Vasco a preocupação de diminuir a alta média de idade do elenco vascaíno, apontada como um dos problemas para a queda de ritmo na reta final da Série B, e que quase inviabilizou o acesso do time carioca.

Enquanto os reforços não vêm, o técnico Cristóvão Borges começa a projetar a equipe para as disputas de 2017, como o Campeonato Carioca, Copa do Brasil e Campeonato Brasileiro. #Mercado da bola