Na noite desta terça-feira (03), no Centro de Eventos do Internacional, ocorreu a solenidade de posse da nova diretoria do clube gaúcho. O novo presidente do Colorado, nos próximos dois anos, será #Marcelo Medeiros que foi eleito com mais de 95% dos votos, uma das maiores vantagens no processo eleitoral do Inter desde que foi permitida a participação dos sócios-torcedores no pleito.

Neste momento festivo, fazendo questão de ficar o mais anônimo possível, estava o ex-presidente Vitório Piffero, que não conseguiu se esquivar dos tantos repórteres que faziam a cobertura do evento. Questionado a respeito da sua polêmica gestão que culminou com o rebaixamento do Internacional pela primeira vez na história, o mandatário colorado não se fez de rogado.

Publicidade
Publicidade

Piffero admitiu, sem meias palavras, que deixa o Inter sem nenhum dinheiro no caixa, mas acrescentou que existem alguns jogadores que podem ser negociados e gerar receita, pois no último ano sua administração não vendeu nenhum atleta do grupo principal.

Na tentativa de defender sua gestão, o ex-presidente afirmou que assumiu o Internacional com um déficit de R$ 50 milhões (números questionados pelo seu antecessor Giovani Luigi) para um superávit em 2015. Piffero argumentou que se o contrato com a Esporte Interativo entrar como luvas, o clube terá um superávit de R$ 60 milhões em 2016.

Alguns conselheiros colorados estão preocupados com a saúde financeira do Inter e nesse sentido decidiram pedir uma auditória referente às contas do clube nos últimos 10 anos. Um abaixo assinado nesse sentido foi enviado ao presidente Mário Sérgio Martins no final do ano passado.

Publicidade

A respeito do assunto, Piffero declarou que o clube já possui auditoria permanente, além de um conselho fiscal, bem como uma outra auditoria contratada. Por conta disso, Vitório afirmou que não se importa se a atual direção contratar mais "cinco auditorias".

No seu discurso de despedida do cargo, #Vitório Piffero admitiu que sua gestão cumpriu parcialmente seus objetivos e ficou aquém do esperado dentro do que representa a história do clube. Piffero acrescentou que não se orgulha dos resultados dentro de campo, certamente se referindo ao rebaixamento para a Segundona, mas que não vê isto como uma desonra, porque "à amargura sempre seguirá um momento de glória".

O ex-presidente colorado encerrou seu discurso desejando sorte a Marcelo Medeiros, afirmando que a partir de agora irá ocupar o posto de torcedor, que considera como sendo o mais relevante na hierarquia do Internacional. #Sport Club Internacional