O Corinthians chega à 18ª decisão da Copa SP e pode levantar sua décima taça da competição. Para falar sobre os futuros craques do futebol brasileiro conversamos com Júlio Cesar Germoliato, o Julinho. Com passagem por clubes como GM Futsal, Juventus, Portuguesa e Palmeiras, e 27 anos anos de experiência na formação de atletas, Julinho logo avisa: "A base é tudo".

No trabalho que desenvolve com crianças a partir de seis anos de idade, a conversa com os pais é importante para mostrar que antes de ser um atleta, esses meninos precisam se preparar fisicamente e psicologicamente, e que o apoio da família nessa trajetória é fundamental.

Publicidade
Publicidade

"É preciso que eles estejam preparados para vencer e para perder. Às vezes os pais projetam nos filhos seus próprios sonhos e colocam uma pressão muito grande sobre eles". Julinho diz que seus pupilos devem ter em mente sempre duas opções, a carreira de jogador de futebol e os estudos. Ele afirma que há muitos bons jogadores, mas que nem todos vão conseguir chegar ao profissional e viver do futebol.

De acordo com estatísticas da CBF, de um total de de 28.203 atletas profissionais registrados, 82% ganham até R$ 1 mil e apenas 1,77% ganham mais do que R$ 10 mil por mês de salários. De acordo com Julinho, não se pode chegar para uma criança e pressioná-la para ser um atleta. A formação de base é importante, mas os clubes pensam muito em competição. "Desde cedo essas crianças recebem muita cobrança por resultados.

Publicidade

Os clubes deveriam pensar em formar cidadãos" , diz Julinho, completando que o clube tem responsabilidade sobre o futuro dessas crianças. Segundo ele o futebol deveria começar a ser desenvolvido a partir da escola. "Quando o Brasil perdeu a a Copa, a mídia falou muito em formação e desenvolvimento de base, então muita gente me procurou".

A escola que comanda, não à toa, chama-se Julinho Fundamentos. Além de aprender a dar passes, fazer cruzamentos e dominar o cabeceio, seus alunos também desenvolvem visão de jogo e antecipação de jogadas, que assim como os outros fundamentos, podem ser treinados e aprimorados.

Recado para Tite

Julinho disse que gosta do trabalho que o técnico vem desenvolvendo à frente da #Seleção Brasileira, mas gostaria de mandar um recado para o treinador: "Tite, o que você está fazendo está correto, mas adota esse mesmo sistema nas categorias de base". Para ele, o Brasil deveria adotar um modelo parecido com o da Alemanha e manter um padrão para todas as categorias, desde a base até o profissional.

Publicidade

O treinador ainda afirma que o time não precisa ser formado só de craques. "Se tiver bons jogadores que dominem os fundamentos do futebol, é possível ter time competitivo".

Os torneios de base e a chance de brilhar

É importante destacar os torneios das categorias de base, como os sub-17, sub-20 e da Copa SP. "A Copinha é uma referência, é um torneio onde todos tem oportunidade de transformar o sonho em realidade. Às vezes um time pequeno, que vem de longe, tem um jogador talentoso que brilha. Então é preciso dar oportunidade e garimpar esses talentos", destaca o treinador.

Os torneios de várzea também são importantes: "Muitas vezes é na várzea que o jogador ganha experiência, é lá que ele aprende a improvisar e a lidar com as adversidades", destaca o treinador.

Julinho ainda falou sobre os 'gatos' que usam identidade falsas para ingressar em clubes ou torneios. "Muitas vezes quando a gente ouve a história desses meninos, a gente fica comovido, mas é preciso fazer o que é correto", frisa o treinador.

Por fim Julinho diz que gostaria de deixar um legado para os jovens jogadores brasileiros e deseja que o trabalho de treinador nas categorias de base tenha mais reconhecimento. "Tem muita criança que precisa desse apoio, dessa formação, e que leva isso para a vida". #Tite #Copa São Paulo