O mercado da bola no Rio de Janeiro está começando a esquentar. Se #Fluminense e #Vasco fizeram apenas contratações pontuais, Flamengo e Botafogo estão a todo vapor, muito em função da disputa da Libertadores. Walter Montillo é a esperança do alvinegro, enquanto Dario Conca chega para dar gás ao meio-campo do Flamengo e, em contrapartida, levantar contenda.

Conca já teve passagens marcantes por Vasco e Fluminense, tendo se consagrado no clube das Laranjeiras, saindo com ares de ídolo. Chegou ao Brasil em meados de 2007, quando defendeu o Vasco da Gama naquela temporada. Sua passagem foi discreta, tendo marcado apenas 8 gols naquele ano e saído de lá sem títulos.

Publicidade
Publicidade

No ano seguinte começou a escrever seu nome na história tricolor, quando teve seu grande momento na carreira. Na passagem pelo Flu, foi peça fundamental na quase conquista da Libertadores de 2008, na campanha fantástica que evitou o rebaixamento em 2009 e no título brasileiro de 2010. Ainda teve uma passagem rápida em 2014, o que não diminuiu sua história no clube.

Agora, chega ao Flamengo, maior rival do tricolor, para dividir a responsabilidade da criação com Diego. E também para despertar certa ira dos tricolores. Alegando traição, a torcida do Fluminense não perdoa a ida do ex-ídolo para seu maior rival. De fato, esse tipo de história no futebol brasileiro tem sido frequente nos últimos anos: Ganso trocando Santos por São Paulo, a ida de Robinho para o Cruzeiro, Thiago Neves no Flamengo e a famigerada chegada de Ronaldinho Gaúcho ao rubro-negro, para desespero e fúria dos gremistas.

Publicidade

Tudo isto serve para alimentar ainda mais a questão do “amor à camisa”, que segue cada vez mais em decadência. Há quem argumente que isso é apenas questão de novos desafios na carreira. E há quem diga que o dinheiro é o que sempre fala mais alto. Se levarmos em conta que os elencos dos últimos campeões brasileiros foram praticamente desmanchados, com jogadores indo jogar na Ásia, a segunda opção nos parece mais verídica.

Quanto a Conca, terá o que precisa para ter um caminho sólido: um time bem estruturado, salário alto e em dia e o apoio da torcida de seu novo time. Em compensação, seu ex time se tornará um rival local com certa mágoa no coração, que dificilmente o deixará se esquecer disso. #Mercado da bola