Ontem (19), o #São Paulo de Rogério Ceni teve seu primeiro teste, de fato. A equipe tricolor enfrentou o River Plate, da Argentina, para dar início a sua trajetória na temporada 2017. O jogo foi decidido nos pênaltis, com vitória do São Paulo por 8-7 nas cobranças, depois de um 0-0 no tempo normal.

Corinthians e São Paulo farão a final da Florida Cup 2017, no sábado (21), às as 21h, pelo horário de Brasília, com transmissão em TV aberta pela Band e em canais fechados, pelo SporTV e Esporte Interativo.

Apesar de muito recente, o trabalho de Rogério à frente do São Paulo, neste primeiro jogo, já é possível identificar algumas ideias que permearão os sistemas de jogo a serem praticados em 2017.

Publicidade
Publicidade

No bom primeiro tempo do São Paulo, a equipe se demonstrou ofensivamente bem estruturada em um 3-5-2 com a bola e num 4-1-4-1 sem ela.

Quando no ataque, o trio de zagueiros titulares - Breno pela esquerda, Rodrigo Caio pelo centro e o capitão Maicon pela direta - formavam a linha com três. Há de se destacar que Rodrigo Caio tornava-se meio-campista para a saída de bola ter mais fluência e mais jogadores circulando naquele setor. Thiago Mendes, Cueva, Bruno e Buffarini eram responsáveis por dar a opção de passe e criar as triangulações, sempre de forma vertical.

Outra observação durante o jogo foi a velocidade com que o time tricolor começou. Numa intensidade que há muito tempo não se via. Não se pode confundir a empolgação do período Bauza, pelo fator Libertadores, com uma intensidade organizada.

Publicidade

Na equipe de Bauza, muitas vezes existia energia, mas com pouca coordenação. No novo esquema tático do São Paulo, Ceni pretende sistematizar o time milimetricamente, tanto ofensivamente quando defensivamente.

Tranquilamente, o primeiro tempo poderia ter encerrado com uma vantagem de mais de 4 gols para o São Paulo, mas os erros nas finalizações falaram mais alto. Rodrigo Caio, Wellington Nem e Cueva foram os destaques do primeiro tempo e se adaptaram rapidamente ao sistema de ocupação de pequenos espaços, toques rápidos e intensidade proposto pelo técnico tricolor.

O ponto que pode pesa negativamente na balança do São Paulo em 2017 será o não trabalho efetivo do departamento médico e de fisiologia. Se Rogério Ceni tem em mente manter esse nível de intensidade em todos os jogos, no mínimo por 70 minutos em cada partida, o trabalho desses dois setores dentro do clube será crucial para o bom desempenho da equipe.

O time não está perfeito. Existem situações a serem ajustadas, como a perda da bola no meio de campo, quando somente dois zagueiros fazem a proteção em linha alta; a saída de bola organizada e principalmente a finalização.

Publicidade

Contudo, a perspectiva de um trabalho que torne a equipe do São Paulo competitiva novamente é positiva.

Como terminará a Florida Cup 2017 para o São Paulo é o que menos importa nesse momento. A evolução sistêmica do time, com entrosamentos entre os jogadores e ajustes nos movimentos defensivos, é o objetivo principal para a comissão técnica. #RogérioCeni #FloridaCup2017