A decisão do atual presidente Donald Trump é de proibir a entrada de todos cidadãos de 7 países dizendo ser do eixo do terrorismo. Os cidadãos do Irã, Iraque, Líbia, Somália, Sudão, Síria e Yêmen são os que sofrem essa decisão. Segundo o The New York Times, no último domingo (29), o esporte americano terá muitas dificuldades com a decisão do novo presidente norte-americano.

Uma das reações imediatas pode ser na dificuldade de disputa que os Estados Unidos passam para serem sede dos Jogos Olímpicos de 2024. Los Angeles trava uma grande batalha com Paris, na França e Budapeste, na Hungria. A decisão de onde serão os Jogos Olímpicos de 2024 será conhecida em setembro desse ano, só que está tendo uma repercussão ruim depois que Donald #Trump assumiu a presidência dos Estados Unidos e declarou todas essas medidas.

Publicidade
Publicidade

Richard Peterkin, um dos dirigentes com maior influência do COI das Américas, não deixou de mostrar sua indignação e declarou estar muito desapontado com a situação.

Uma outra repercussão que está sendo muito falada nos #EUA é a viagem que a Seleção Americana de Wrestling tem marcada para a Copa do Mundo que será sediada no Irã em fevereiro. O governo iraniano já declarou retaliações às decisões de Donald Trump, que será o bloqueio da entrada no país para todo cidadão americano.

A direção da NBA já pediu mais informações sobre as decisões do novo governo americano. Há dois jogadores, Thon Maker e Luil Deng, que são do Sudão, e junto com suas respectivas famílias vivem sem saber o que vai acontecer. A NBA ainda tem um evento chamado “Basketaball Whitout Borders”, que conta com a presença de jogadores de várias partes do mundo e acontece durante a semana do All Star Game em fevereiro.

Publicidade

Entre os jogadores que foram convocados, tem uma cidadã iraniano.

Michael Bradley, capitão da seleção dos EUA de futebol, que decretou apoio a Trump nas eleições, não mediu as palavras para criticar as recentes decisões do presidente. Essas decisões que Trump vem tomando praticamente acabaram com as chances de os Estado Unidos e México sediarem a Copa do Mundo de 2026 em conjunto.

Nos #Esportes aquáticos, os Estados Unidos sediarão a 6ª edição do Campeonato Mundial Junior de natação. E dos setes países proibidos de entrar no pais após decisão de Trump, quatro participam frequentemente dessas competições: Irã, Iraque, Líbia e Síria.