O atacante Marinho, destaque do #Vitória no #Campeonato Brasileiro do ano passado, teve concretizada sua transferência para o futebol chinês. O jogador, que tinha contrato com o clube baiano até o fim de 2018, vai defender agora o Changchun Yatai. O valor da transação é de 5 milhões de euros (cerca de R$ 17 milhões), de acordo com o site Transfermarket. É a maior venda de um clube nordestino na história.

Antes de Marinho, a negociação mais alta no Nordeste pertencia ao Bahia, que em 2015 negociou o volante Bruno Paulista com o Sporting, de Portugal, por 3,5 milhões de euros. Antes desta transação, o atleta mais caro negociado na região era o zagueiro Bruno Paulista (hoje no Arsenal, da Inglaterra), que foi vendido pelo tricolor baiano para o Villarreal, da Espanha, por 3,3 milhões de euros.

Publicidade
Publicidade

Os 5 milhões de euros constam na multa rescisória do contrato de Marinho com o clube baiano. Porém, a negociação se transformou em uma verdadeira novela, pois os direitos econômicos do atacante estavam divididos: 50% pertenciam ao Vitória, 30% ao Cruzeiro, clube no qual o atacante jogou em 2015, e 20% eram do empresário Jorge Machado. Ocorre que Machado ficou impedido de receber esse valor, já que, desde 1º de maio de 2015, a Fifa proíbe que investidores possuam percentuais de jogadores. Diante disso, após muitas conversas, o empresário teve de abrir mão do valor e a negociação do montante a ser dividido se estabeleceu entre Vitória e Cruzeiro.

Enquanto a transação se arrastava por conta da discussão em relação aos percentuais, Marinho chegou a ser sondado pelo Flamengo e pelo Santos, sendo um dos jogadores mais cobiçados do Brasil no fim de 2016.

Publicidade

No entanto, a proposta asiática chamou a atenção do atleta, que viu a oportunidade de fazer a independência financeira.

No Changchun Yatai, Marinho deverá fazer companhia a outro atacante com passagem pelo futebol brasileiro. Trata-se de Marcelo Moreno, boliviano que também já defendeu as cores do Cruzeiro. O jogador negocia sua permanência na equipe, ao mesmo tempo em que tem propostas de outros clubes chineses e também do futebol turco. #Mercado da bola