Foi encontrado morto, neste domingo (12), o advogado Domingos Moro, de 57 anos, e que entre 2003 e 2004 também foi vice-presidente do #Coritiba, além de conselheiro. Seu corpo foi encontrado caído ao lado de seu computador, no apartamento em que morava, em Copacabana, no #Rio de Janeiro. As causas da morte ainda não foram reveladas, mas a suspeita é que ele tinha sido vítima de um mal súbito. As informações são do portal Globoesporte.com e do site Lance!.

Moro foi visto pela última vez na sexta-feira (10), e era esperado para acompanhar a partida entre Boavista e Macaé pelo Campeonato Carioca, porém não apareceu. Como ninguém conseguia contato com o advogado, o presidente do Boavista, João Paulo, decidiu ir até sua casa onde encontrou o corpo.

Publicidade
Publicidade

O advogado era considerado um dos maiores especialistas em Justiça Desportiva do Paraná e muito respeitado nos tribunais. Também era famoso pela forma teatral em que conduzia as defesas. Um dos casos mais famosos ocorreu em 2001, quando defendia o pequeno Rio Branco. Na ocasião, um jogador teve um pequeno erro no seu nome – se chamava Adriano de Oliveira Santos, mas foi registrado como Adriano Oliveira dos Santos – o que poderia resultar na perda de 22 pontos. Após a defesa, o advogado não conteve as lágrimas depois da absolvição, por unanimidade, do clube.

Em seu site oficial, o Coxa lamentou o falecimento do advogado, lembrando também sua trajetória na defesa do clube nos julgamentos. “O Coritiba recebeu, com pesar, a notícia do falecimento do ex-dirigente alviverde e advogado esportivo doutor Domingo Moro”, diz o texto.

Publicidade

Outro clube do Paraná a prestar condolências foi o Atlético, time no qual ele também prestava serviço, que lembrou a forma como ele defendia o Furação. “Moro defendeu o Clube com maestria, inúmeras vezes, nos tribunais. Foi um admirável exemplo de ética e profissionalismo”. A nota também cita que ele dava palestras aos jogadores do time.

O corpo de Domingos Moro será sepultado nesta segunda-feira (13), às 14 horas, no cemitério São Joao Batista, em Botafogo, Rio de Janeiro. #TJD