O árbitro de futebol Thiago Duarte Peixoto (37), que apitou o jogo entre Corinthians e Palmeiras pela quinta rodada do #Campeonato Paulista, na noite de quarta-feira (22), no Estádio Itaquerão, em Itaquera, veio a público para se desculpar sobre o equívoco que cometeu ao punir o jogador errado durante a partida. O árbitro confundiu o jogador Maycon, camisa 30, com o volante Gabriel, camisa 5, por cometer falta no atacante Keno, do #Palmeiras.

Além disso, não quis ouvir ninguém sobre o erro cometido e expulsou Gabriel, que não participou do lance e já tinha amarelo. O volante levou o vermelho e teve que sair de campo erroneamente sem ter cometido a falta.

Publicidade
Publicidade

Thiago foi irredutível, não ouviu os argumentos dos jogadores e nem da comissão de arbitragem, e manteve a expulsão de Gabriel, gerando indignação entre jogadores e comissão técnica do #Corinthians. De certa forma, o erro deu uma modificada no jogo. mas o Corinthians conseguiu vencer por 1 a 0, gol marcado por Jô, aos 42 minutos do segundo tempo.

Após o ocorrido, o árbitro se desculpou, chorou, reconheceu que errou, mas ficará afastado das competições organizadas pela CBF (Confederação Brasileira de Futebol); a informação é da Comissão Nacional de Arbitragem. A decisão foi tomada após a Federação Paulista de Futebol anunciar, por meio de uma nota, que Thiago vai ficar sem apitar jogos por tempo indeterminado.

Ainda de acordo com a nota: "Thiago passará por avaliações técnicas, psicológicas e também físicas".

Publicidade

O mesmo também "vai receber orientação e quando tiver preparado voltará", disse o coronel Marcos Marinho, presidente da Comissão Nacional de Arbitragem. A pena pode variar de 30 a 360 dias. Erros como esse são considerados muito graves, pois podem alterar o resultado de uma partida.

Em 2015, o árbitro Flávio Guerra também ficou afastado de suas funções após cometer um erro semelhante ao de Thiago; ele pegou 100 dias de gancho. A falta foi no jogo entre Corinthians e Santos, partida válida pelo Campeonato Brasileiro daquele ano - em um pênalti cometido por Zeca em Vágner Love, o árbitro acabou expulsando David Braz. Após recurso, a pena caiu para 60 dias.