Neste domingo (19), o volante Camacho, do #Corinthians, recebeu a triste notícia da morte de seu pai. Anízio Ferreira Camacho morava no Rio de Janeiro. Segundo informações da família do jogador, o pai do atleta estava com a mãe dele e um dos irmãos em um elevador que foi colocado na residência da família. Infelizmente, o equipamento acabou se soltando e desabou no chão. O senhor Anízio não aguentou os ferimentos e veio a falecer.

O corintiano ficou em estado de choque. A mãe e o irmão do jogador, que é cadeirante, estão se recuperando bem dos ferimentos. O elevador foi colocado na residência para facilitar o acesso de seu irmão nas dependências da casa.

Publicidade
Publicidade

Comoção

Vários corintianos ficaram trites com a #Morte do pai do atleta e postaram nas redes sociais várias mensagens de carinho ao jogador. Provavelmente Camacho não participará do jogo entre Corinthians e Palmeiras, que acontecerá, nesta quarta-feira (22), no Itaquerão.

O Sport Clube Corinthians Paulista divulgou uma nota de pesar lamentando a morte do senhor Anízio e desejou forças ao atleta e a sua família, neste momento tão doloroso. Foi criado uma hashtag ##ForçaCamacho e é um dos assuntos mais comentados no país.

Investigação

A Polícia do Rio de Janeiro está investigando o que provocou o acidente. De acordo com a Polícia, o acidente aconteceu no final da tarde de domingo (19). Anízio chegou a ser socorrido pelos vizinhos, mas morreu no hospital.

O elevador foi colocado na casa para facilitar a vida do irmão de Camacho, que é paraplégico.

Publicidade

Familiares aguardam mais informações da mãe e do irmão do jogador que estão internados, sob observação.

Ainda não se tem informações sobre o velório do pai do corintiano. Ele tinha 56 anos de idade.

Fernando Camacho precisará do apoio de todos para vencer esse momento triste. Ele foi revelado pelo Flamengo e chegou ao Corinthians, em 2016, após ter tido sucesso no Grêmio Osasco Audax.

O responsável por dar a notícia ao volante corintiano, sobre a morte de seu pai, foi o técnico Fernando Diniz.