O Campeonato Paulista da Série A-2 nem chegou a quarta rodada enquanto que a A-3 está no início de sua terceira. As duas competições começaram no último dia 28 de janeiro, mesmo assim, quatro das 40 equipes (somadas as duas divisões) já apresentaram mudanças em seu comando.

O primeiro a puxar a #Dança dos Técnicos foi Carlinhos Alves, do #Paulista de Jundiaí. O treinador não resistiu as duas primeiras derrotas do Galo na Série A-3 foi demitido após perder em casa para o Nacional. O time da Capital havia sido goleado na primeira rodada. Para seu lugar, a equipe encontrou uma solução caseira e promoveu ao profissional Umberto Louzer, que havia chegando até as semifinais da Copa São Paulo com o sub 20.

Publicidade
Publicidade

Ainda na Série A-3, Sérgio Santos foi dispensado da Catanduvense depois da derrota contra o São José dos Campos. E pior. Circularam notícias de que o treinador quase havia chegado às vias de fato com um companheiro da comissão técnica durante o intervalo da partida. A diretoria do time de Catanduva agiu rápido e trouxe para seu lugar o ex-goleiro Rodrigo Deião, que inclusive já havia defendido o próprio time.

Na Série A-2 o primeiro a cair foi Edson Leivinha, que dirigiu a União Barbarense nas três primeiras rodadas, não conseguindo somar um ponto sequer. Junto com ele também deixaram o clube o preparador físico William Bittencourt e o analista de desempenho Yuri Moreira, além do experiente jogador Fábio Gomes. Waguinho Dias é o mais cotado para segurar o rojão.

Por fim, João Martins pediu demissão do comando da Matonense, protagonizando a terceira troca de técnico da A-3, que chega a incrível marca de um treinador e meio demitido por rodada.

Publicidade

Pelo menos com este, a razão não foi falta de resultados. Com uma vitória e uma derrota, o treinador apontou atrasos nos pagamentos de seus salários como motivo da saída. Lelo, que dirigiu o Grêmio Prudente no ano passado, foi contatado para seu lugar.

Com a intenção de reduzir as trocas de treinadores, a Federação Paulista ,desde o ano passado, instituiu uma regra que um treinador não poderia dirigir mais de uma equipe da mesma divisão durante o Campeonato Paulista. Por enquanto, a ideia não tem surtido efeito. #Paulistão