A novela entre #Palmeiras e Miguel Borja chegou ao fim nesta quinta-feira (9), com um final feliz para a torcida palmeirense. O atacante, de 24 anos, estrela do Atlético Nacional de Medellín, assinou contrato com o clube da capital paulista por um período de cinco anos.

A Crefisa, patrocinadora do clube, desembolsou pouco mais de US$ 10 milhões de dólares (quase R$ 36 milhões), divididos em três parcelas, para obter 70% dos direitos do jogador. Seu contrato prevê diversas bonificações durante o vínculo com o Alviverde.

O sonho palmeirense de contar com o atacante quase foi por água abaixo no decorrer do dia. Isto porque uma oferta milionária do futebol chinês estimada em mais de R$ 80 milhões fez com que #borja se sentisse seduzido a assinar com o Shenzhen FC, da segunda divisão chinesa.

Publicidade
Publicidade

Porém, o carinho e apoio que recebeu da torcida Alviverde nas redes sociais fez com que o colombiano aceitasse a proposta do clube brasileiro.

Borja deverá chegar a São Paulo durante a manhã deste sábado (11), e os torcedores do Palmeiras prometem uma grande festa para receber o novo reforço, que já chega com status de craque e postulante a ídolo, já que o mais recente, Gabriel Jesus, foi vendido ao Manchester City na janela de transferências. A apresentação oficial está marcada para segunda-feira (13).

Campeão da América em 2016

O atacante colombiano teve uma ascensão meteórica no ano passado. Estreou pelo Atlético no dia 6 de julho e marcou dois gols que garantiram a vitória colombiana contra o São Paulo em pleno Morumbi, no jogo de ida das semifinais da Copa Libertadores. Borja provou que tinha estrela e, no jogo de volta em Medellín, marcou mais dois gols contra a equipe paulista e carimbou o passaporte para a final do torneio continental, deixando o sonho do bicampeonato sul-americano muito próximo.

Publicidade

Na grande decisão contra o surpreendente Independiente del Valle, do Equador, Borja fez o gol do título logo no início do jogo, levando a multidão que lotou o Estádio Atanasio Girardot ao delírio. Naquela noite foi quebrado o jejum de 27 anos do Atlético Nacional sem vencer a Libertadores da América. Em quatro jogos, um único jogador fez toda a diferença e chamou a atenção de diversos clubes ao redor do mundo. #Mercado da bola