A diretoria do Palmeiras continua trabalhando bem pela manutenção da equipe para o ano de 2017. Este ano, inclusive, é um dos mais esperados pela torcida. A disputa da Copa Libertadores com reforços como Alejandro Guerra e Miguel Borja deixaram o palmeirense muito ansioso. O primeiro - e último - título da taça continental do Verdão aconteceu em 1999, quando o clube tinha a parceria forte da Parmalat. Com a Crefisa/FAM nos mesmos moldes, o #Palmeiras está bastante confiante em ter êxito na disputa.

Depois de receber a notícia da lesão do meia Moisés (levou uma pancada do volante do Linense e deve ficar seis meses fora), o Palmeiras também tratou de correr para tentar inscrever Borja no Estadual.

Publicidade
Publicidade

O regulamento aponta que se algum atleta inscrito se machuca e recebe laudo de recuperação após seis meses, outro jogador pode ser inscrito no lugar. Um médico da Federação Paulista de #Futebol avalia a situação para confirmar o quadro clínico.

Mina fica!

A viagem de Alexandre Mattos, executivo de futebol, e Maurício Galiotte, presidente, foi bastante produtiva. Ambos estavam em Barcelona e conversaram com a diretoria do clube catalão sobre o zagueiro Yerry Mina. Quando foi contratado diante do Santa Fé-COL, o jogador já veio com um pré contrato com o Barcelona. O time poderia requisitá-lo a qualquer tempo, e o receio palmeirense era que isso acontecesse justamente durante a disputa da Copa Libertadores.

Mina é jogador do Palmeiras até metade de 2018, segundo acordo com o Barça. Em nota oficial, o Alviverde garantiu que Mina pode vestir a camisa do time espanhol somente após a próxima Copa do Mundo.

Publicidade

O Palmeiras também anunciou um início de uma parceria com o Barcelona para melhorar o intercâmbio de jogadores e troca de experiências.

Moisés se machucou feio

A lesão do meia Moisés foi mais séria do que se esperava. O atleta realizou exames em São Paulo, passará por cirurgia e só retornará aos gramados daqui seis meses. O volante do Linense que cometeu a falta grave disse para a imprensa que está sendo ameaçado por torcedores. #Mercado da bola