O gerente de marketing da Kanxa, Sergio Grer, não escondeu que o receio de associar a marca à imagem do Boa Esporte, que abriu as portas para o goleiro Bruno, fez a fornecedora afastar-se do clube mineiro. Em entrevista ao LANCE!, o representante da empresa questionou o Boa por não avisar os seus antigos apoiadores do acerto com o goleiro, e apontou que a permanência da Kanxa seria um "marketing negativo".

- Em momento algum, eles conversaram com nenhum dos parceiros. Na verdade, o que aconteceu foi um "marketing negativo". Não é meramente a ressocialização de um atleta à sociedade, mas o impacto que a contratação do Bruno traz para o clube.

Publicidade
Publicidade

Grer detalhou o motivo da demora para o clube se pronunciar. A nota oficial da Kanxa aconteceu na segunda-feira (13), três dias depois da confirmação do Boa Esporte:

- Soubemos da notícia na noite de sexta. Precisávamos conversar com o Boa para confirmar o acerto e nos reunirmos, o que só conseguimos ontem (segunda-feira dia 13). Por isto, a Kanxa demorou a dar uma resposta. Ao confirmarmos que o Boa acertou com o Bruno, automaticamente emitimos uma nota para romper o contrato.

O gerente de marketing ainda apontou que a empresa foi alvo de críticas aos olhos do público:

- Lógico, associaram todo mundo. A Kanxa somente fornece material esportivo, mas pela postura da diretoria do Boa, ficou meio complicado.

Além da Kanxa, outros quatro patrocinadores se afastaram do Boa devido ao anúncio de Bruno: o patrocinador máster Góis & Silva, a Cardiocenter, a Magsul e a Nutrends Nutrition.

Publicidade

O goleiro, que assinou por dois anos, foi apresentado na manhã desta terça-feira.

O Boa Esporte será o primeiro clube de Bruno após deixar a cadeia, onde ficou por sete anos. O jogador de 32 anos saiu no dia 24 de fevereiro graças a um habeas corpus concedido pelo STF, e aguardará em liberdade o resultado do recurso da condenação da pena de 22 anos e três meses de prisão por sequestro, morte e ocultação de cadáver de Eliza Samudio.

Bruno foge de perguntas sobre Eliza Samudio e agradece Boa por abrir as portas

O desejo de limitar-se a falar de futebol marcou as primeiras palavras de Bruno como jogador do Boa Esporte. Em entrevista coletiva organizada às pressas, na manhã desta terça-feira pelo clube, o jogador de 32 anos fugiu de perguntas sobre o impacto da repercussão no "caso Eliza Samudio", e mostrou gratidão ao falar do clube mineiro que abriu espaço ao seu futebol depois de ele passar sete anos na cadeia:

- Estou muito feliz pela oportunidade dada. As pessoas cobram muito pelo que aconteceu no passado. O Boa está abrindo as portas para mim, é uma oportunidade dada, estou muito feliz.

O jogador de 32 anos diz que tem a solidariedade de muitos por onde passa:

- Fui muito bem recebido. Quando a pessoa está frente a frente, ela me trata muito bem. Recebi incentivo, força e isso pra mim é o que importa. #2017