O #Boa Esporte, clube da segunda divisão do futebol nacional, roubou a cena no noticiário esportivo nesta sexta-feira ao anunciar oficialmente a contratação do goleiro #Bruno, que há duas semanas ganhou um habeas corpus e deixou a prisão. Ele estava detido desde 2010 por conta do envolvimento no assassinato da ex-modelo Eliza Samudio, com quem teve um filho. Agora, ele responde o processo em liberdade e pode voltar a jogar profissionalmente.

Só que, nas redes sociais, a repercussão do caso foi extremamente negativa para a equipe mineiro. Incontáveis internautas repudiaram a postura do Boa Esporte por "ignorar" tudo o que aconteceu e contratar Bruno como se fosse um outro jogador qualquer.

Publicidade
Publicidade

Bruno não atua desde o primeiro semestre de 2010, quando defendeu o Flamengo em uma partida contra o Goiás, no Maracanã, vencida pelos goianos, pelo Brasileirão.

Em depoimento à Folha de S.Paulo, a Nutrends, empresa de suplementos alimentares, que patrocina o Boa Esporte, se disse surpresa quanto à contratação do goleiro. O grupo deixou em aberto a continuidade da parceria com o clube mineiro após essa novidade.

"Quando decidimos esse patrocínio, o Bruno não fazia parte do elenco do Boa Esporte. Nem havia qualquer sinalização nesse sentido. Nós, como empresa, não temos autonomia para interferir no processo de contratação de jogadores do clube. Para nós, foi uma surpresa, e estamos avaliando quais medidas vamos tomar", declarou a empresa.

Assim como o Boa Esporte, a empresa também tem sido alvo nas redes sociais.

Publicidade

De acordo com o advogado Lúcio Adolfo, que responde pelos interesses de Bruno, o goleiro deve estar apto a atuar em 45 dias. Nesta segunda-feira, ele se apresentará ao novo clube.

Bruno estava preso há sete anos em regime de primeira instância. Em 2013, foi condenado a 22 anos e três meses de prisão pelo envolvimento na morte de Eliza. No final de fevereiro, o ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou um habeas corpus por entender que não havia mais sustentação jurídica para a prisão.

Veja as críticas ao Boa Esporte no Twitter: