O dia seguinte após a incrível, e ao mesmo tempo humilhante, eliminação na #Liga dos Campeões da Europa para o Barcelona, como já era de se esperar foi de duras críticas ao Paris Saint Germain. E um dos alvos da imprensa francesa foi o zagueiro brasileiro Thiago Silva, que chegou a ser classificado como covarde. Até sua atuação na última Copa do Mundo não passou batida.

Um dos veículos a pegar mais pesado com o jogador foi o jornal L'Équipe, que lembrou o fato dele não estar presente no jogo de ida, vencido pelo #PSG por 4 a 0. O periódico destacou ainda que Tiago Silva não pode ser considerado um líder e ainda lembrou o marcante choro na Copa de 2014.

Publicidade
Publicidade

“Desde o ocorrido na Copa, o zagueiro conhecido como O Monstro tem sido chamado de medroso pelos críticos. Entenda como covarde”, cravou o Le Figaro, também lembrando o episódio do choro nas oitavas de finais da Copa no Brasil, diante do Chile, mas não sem antes dizer que o zagueiro some nos jogos grandes.

O portal Goal escreveu que o brasileiro poderia ser lembrado como maior zagueiro de todos os tempos não fosse pela sua fragilidade mental. Seu companheiro de defesa Marquinhos também foi citado. Para o jornal, o ex-corintiano foi o jogador mais vulnerável da noite e poderia ter sido apoiado por seu compatriota, também capitão do time, mas este simplesmente demostrou fraqueza.

Time também é criticado

A goelada por 6 a 1 sofrida para o Barcelona foi o principal assunto da imprensa esportiva da França.

Publicidade

Palavras como “humilhante” e “inacreditável”, foram as mais usadas para descrever o que foi a noite de quarta-feira no Camp Nou. O L'Équipe disse que a goleada irá acompanhar os jogadores pelo resto de suas vidas.

“É o pior pesado da história do clube”, foi a manchete do jornal Le Parisien. Para a publicação, o time se desclassificou sozinho ao final de um jogo incrível. A reportagem ainda diz que a partida teve um roteiro inimaginável e uma loucura como poucas vezes vista no futebol.

Por fim o jornal ainda cobrou a demissão do técnico Unai Emery, mas afirmou que ele não é o único culpado, dizendo que o Barcelona é um clube místico, mas o que conta desta vez é o fracasso do PSG. #FC Barcelona