É inegável que todo bom jogador que está retornando para o Brasil tenha seu nome ventilado no Palmeiras. Desde o final de 2014, ano do seu Centenário, o Alviverde retomou sua competência no #Mercado da bola. Alexandre Mattos, que veio do Cruzeiro na época, ajudou o clube a formar status de grande comprador nacional.

Foram ao menos 30 jogadores na primeira passada de Mattos pelo mercado. De cara o Alviverde conseguiu o vice do Campeonato Paulista em 2015. No mesmo ano, o #Palmeiras conquistou a Copa do Brasil e colocou seu nome de volta nas trilhas dos títulos. Paulo Nobre, presidente na época, entendeu que realmente esse era o caminho.

Publicidade
Publicidade

Em 2016, mais alguns atletas chegaram e os que foram campeões não saíram. A soma, o entrosamento e a vitalidade do elenco trouxeram o nono título Brasileiro da história do clube após 22 anos. Foi, de fato, uma ano incrível e principalmente um ano de confirmação do renascimento das cores palmeirenses.

No final do ano, como não poderia deixar de ser, novos reforços foram anunciados. Hyoran, Raphael Veiga, Alejandro Guerra, Felipe Melo e Miguel Borja chegaram para completar o elenco. A busca pelo bicampeonato da Copa Libertadores é o alvo do Verdão para o ano de 2017 e esse assunto já foi sacramentado nas reuniões da diretoria do Alviverde da capital.

Éverton Ribeiro chegando?

O meio-campista do Al-Ahli está retornando para o Brasil. Os empresários do atleta confirmaram que ele deve acertar sua rescisão em breve e iniciar negociações com times brasileiros.

Publicidade

O Palmeiras foi citado e entrou na conversa, porém, dirigentes do clube negam 'até a morte' que exista qualquer tipo de andamento. Maurício Galiotte, presidente do Palmeiras em exercício, comentou em programa de TV que trata-se de um bom jogador, mas que está bem longe das pretensões do clube principalmente na questão salarial. Ribeiro quer ganhar R$ 700 mil mensais, valor fora da realidade.

O fato é que Mattos negou também as possíveis chegadas de Miguel Borja e Felipe Melo antes dos martelos serem batidos. É uma prática comum da diretoria negar fortemente o negócio e depois partir com agressividade.

Segundo informações de bastidores, as conversas entre empresários e dirigentes do clube estão em andamento e podem, sim, ter um desfecho positivo. #Futebol