O FC Porto, uma das grandes instituições portuguesas, apresentou os seus resultados do primeiro semestre da presente temporada, anunciando um prejuízo de 29,5 milhões de euros, um dos maiores da história do futebol português. Tal como informa o site “Record”, apesar do clube ter já previsto um prejuízo grande, a verdade é que negócio, que até agora eram secretos, ajudam a perceber os maus resultado do FC Porto. As contratações de Boly, Depoitre e Alex Telles, alguns por valores superiores ao esperado, são uns dos principais motivos para esse prejuízo muito elevado.

No mesmo dia que Bruno de Carvalho, Presidente do Sporting, anunciou que a instituição tinha apresentado o melhor resultado semestral da sua história, mais de 40 milhões de lucros, o seu rival apresentou resultados que estão envergonhando muitos portugueses, sobretudo os sócios portistas.

Publicidade
Publicidade

“Mas para onde foi tanto dinheiro”, questionam muito nas redes sociais.

A verdade é que, e como garante o site do jornal “Record”, o fato da SAD ter feito um enorme esforço financeiro para não fazer uma grande venda é um dos fatores para o prejuízo do semestre tivesse acumulado até esse valor assustador. A mesma publicação garante que o FC Porto tem agora de conseguir arrecadar, até ao final da presente temporada, cerca de 112 milhões de euros, visto que a grande instituição, nos últimos seis meses, só recebeu cerca de 2,5 milhões de euros por alguns empréstimos.

Ao que tudo indica, a saída de ativos como Varela e Evandro vão permitir que o resultado do próximo semestre seja muito melhor que este, apesar de não se saber ainda se o FC Porto vai conseguir sair do negativo e garantir lucros em um futuro próximo.

Publicidade

Nas redes sociais, muitos portistas garantem que, além da falta de vendas dos principais ativos, o FC Porto está gastando uma verdadeira fortuna para pagar salários a todos os seus funcionários, sobretudo ao lendário Iker Casillas, que recebe muitos milhões de euros anuais desde que chegou, de forma completamente inesperada, a Portugal. #Economia #Negócios