As instituições pertencentes aos mais diferentes segmentos não podem mais ficar alheias às opiniões das pessoas da sociedade em geral, uma vez que os indivíduos que compõem o mundo globalizado atual são agentes de influência, tanto de forma positiva quanto negativa. Por outro lado, parece que o clube de #Futebol de Minas Gerais, o Boa Esporte, e a empresa Nutrends, produtora de suplementos alimentares e patrocinadora da já referida associação esportiva, se esqueceram deste princípio fundamental, quando, no último dia 10 de março, o clube mineiro oficializou que havia contratado o goleiro Bruno, atleta que ficou alguns anos preso sob a acusação de ter envolvimento direto no homicídio da jovem Eliza Samúdio.

A Nutrends revelou à imprensa que se encontra "surpresa" com a contratação de Bruno no plantel futebolístico do Boa Esporte e que ainda analisa o que fará, pois os representantes da empresa fizeram questão de se pronunciar do seguinte modo: “quando decidimos patrocinar o Boa Esporte, o goleiro Bruno ainda não fazia parte do elenco e nem sequer havia qualquer sinalização de contratação.” Apesar da empresa deixar claro que não pode ter influência sobre quem o time contrata, ela também reforça que reflete, neste momento, o que poderá ser feito em relação ao tema no mínimo questionável; todavia, através da rede social da fábrica de suplementos alimentares, não foi dada a certeza se o patrocínio será interrompido.

Publicidade
Publicidade

Não é à toa, então, que a Nutrends tem sido alvo de comentários hostis de muitos internautas sobre a aquisição do passe de Bruno, com frases tais como: "Patrocinando assassino. Que ridículo!" ou "Quando vocês vão se posicionar sobre patrocinar um time que tem assassino? É esse o valor da empresa?". Vale frisar que, até o presente momento, a Nutrends replica a todos com uma resposta única padrão.

Além da Nutrends, a "Góis e Silva”, que é pertencente a Rafael Gois, ex-candidato a ocupar a prefeitura de São Gonçalo de Sapucaí em 2016, mas que teve a candidatura indeferida, também tem sido xingada na web, uma vez que patrocina o mesmo Boa Esporte. Em tempo, Rafael Gois é tido com um dos políticos com mais dinheiro no Brasil e é dono da Kanxa, que fornece material esportivo.

O caso do goleiro Bruno

Bruno, que foi goleiro do #Flamengo carioca e Atlético-MG, desde o ano de 2010 se encontrava preso, como já dito, pela morte da ex-amante Eliza Samudio, com quem teve um filho e assim, recebeu a condenação no julgamento de 2013, a permanecer detido por 22 anos e 3 meses, sendo confrontado pelas seguintes acusações de #Crime: homicídio triplamente qualificado, ocultação do cadáver de Eliza, sequestro e cárcere privado do próprio filho do casal.

Entretanto, em 21 de fevereiro deste ano, por meio da decisão do ministro do STF Marco Aurélio Mello, este disse que não haveria mais base jurídica para que Bruno continuasse preso e decidiu pela soltura do atleta, que responderá em liberdade o tempo que durar o processo.

Publicidade