Logo quando chegou no Palmeiras, o volante #Felipe Melo deu uma polêmica entrevista em sua apresentação ao falar das suas características de jogo e de sua personalidade. Lá pelas tantas, ao abordar a participação do alviverde na Taça Libertadores, o volante disparou: "Se tiver que dar tapa na cara de uruguaio, eu vou dar". A declaração gerou polêmica e foi repercutida por muito tempo na imprensa.

Pois, nesta quarta-feira, dia 26 de abril, Felipe Melo acabou cumprindo o que "prometeu" quando da sua chegada. Assim que o árbitro encerrou a vitória do #Palmeiras por 3x2 sobre o Peñarol, no Uruguai, por mais uma rodada da fase de grupos da Libertadores, uma grande confusão se formou e o volante brasileiro esteve no centro da polêmica.

Publicidade
Publicidade

As câmeras flagraram um verdadeiro bolo de jogadores, com foco no goleiro palmeirense Fernando Prass. Logo em seguida, Felipe Melo passa a ser um dos alvos e começa a correr para trás para se defender. O jogador Mier, do Peñarol, é um dos que se aproxima do volante e acaba levando a pior. Melo acerta um soco no rosto do rival. Observe:

Em seguida, Felipe é "encurralado" pelos uruguaios até atrás de uma das linhas de fundo. Zé Roberto e Thiago Santos, que foram reservas do Palmeiras na partida, foram os seguranças do volante neste momento. Um dos atletas do Peñarol chegou a pegar a bandeirinha de escanteio para tentar acertar o brasileiro, mas acabou desistindo e jogou o material no chão.

Publicidade

Um detalhe que chamou a atenção dos telespectadores foi a baixíssima presença de policiais na partida. Tanto dentro como fora de campo, já que houve enfrentamento e arremesso de objetos entre torcedores uruguaios e brasileiros. Especula-se, de imediato, que as duas equipes possam sofrer punições em decorrência dos acontecimentos desta quarta.

A confusão seguiu na saída de campo das duas equipes, que tiveram dificuldades de ingressar ao vestiário. Willian Bigode, que marcou dois gols no jogo, saiu de campo demonstrando hematomas no rosto e foi flagrado dizendo: "Que vergonha, Peñarol, que vergonha!". O técnico Eduardo Baptista do Palmeiras considerou "lamentável que as coisas se decidam em briga" e lembrou que o time brasileiro tentou jogar futebol.

O goleiro Fernando Prass foi um dos mais exaltados na saída de campo. Assim como Willian, Prass também mostrou muitas lesões na face após as agressões que sofreu. A equipe de seguranças do Palmeiras teve muito trabalho.