O Campeonato Brasileiro da Série A teve, de fato, seu primeiro treinador demitido nesta quarta-feira (24). Pressionado nas últimas semanas, o técnico Ney Franco foi dispensado do Sport Recife após da derrota do Leão por 1 a 0 para o Bahia, na Fonte Nova, pela final da #Copa do Nordeste. A informação foi confirmada pelo vice-presidente de futebol, Gustavo Dubeux. Daniel Paulista, que já havia dirigido o time antes da chegada de Ney Franco, assumirá de forma interina.

O dirigente fez elogios ao #Treinador, mas explicou que a pressão em cima dele – em razão do desempenho apresentado em campo -, era muito grande. Ele disse entender as dificuldades do agora ex-técnico com relação ao calendário apertado, lembrando ainda que o time está na final do Campeonato Pernambucano, mas que a hora era de mudar.

Publicidade
Publicidade

"Ele fez um bom trabalho. Entendemos a hora, por vários motivos, de ter essa substituição", disse Dubeux.

Esta é a segunda troca de técnico de times da Série A deste o início do Campeonato Brasileiro, mas a primeira sendo de fato uma demissão. Na terça-feira (23), Paulo Autuori deixou o comando do Atlético Paranaense, mas para ser deslocado para a função de gerente de futebol, sendo substituído por Eduardo Baptista.

Além de chegar à final da Copa do Nordeste e do Pernambucano, o Sport ainda está envolvido em outras três competições. Está classificado para a segunda fase da Copa Sul-Americana, disputa as oitavas de final da Copa do Brasil – perdeu o primeiro jogo para o Botafogo, no Rio por 2 a 1 -, além de jogar a Série A do Brasileiro, onde estreou perdendo para a Ponte Preta, em Campinas, e no último domingo empatou em 1 a 1 com o Cruzeiro.

Publicidade

Seu próximo compromisso na competição nacional será domingo (28), contra o Grêmio (que deverá escalar um time alternativo), na Ilha do Retiro.

Disparou contra a arbitragem

O vice-presidente do Sport não falou apenas da demissão de Ney Franco. O assunto em pauta na entrevista após a final da Copa do Nordeste foi a atuação do árbitro Francisco Carlos do Nascimento, ao qual não poupou críticas, principalmente em relação à expulsão do atacante Rogério, ainda no primeiro tempo.

Para ele, o lance que gerou o segundo cartão amarelo para o jogador, e consequentemente o vermelho, foi de fato pênalti e não simulação, conforme entendeu a arbitragem. "Nós já estávamos com esse receio em função de todo estardalhaço que foi feito, e aí colocaram um juiz tendencioso", disse o dirigente. "A bola foi pênalti, eu assisti dez vezes", completou. #Brasileirão