A terceira rodada do Campeonato Brasileiro da Série B nem terminou e já registrou a primeira queda de treinador. Após ficar por apenas quatro jogos – ou 19 dias -, à frente do #Goiás, o técnico Sérgio Soares foi demitido após o empate em 1 a 1 com o Brasil de Pelotas, na noite desta sexta-feira (26), no estádio Serra Dourada. O time esmeraldino ainda não venceu na competição e pode terminar o final de semana na zona de rebaixamento.

O anuncio foi feito pelo clube goiano na manhã deste sábado (27), após uma reunião entre as partes. Vice-campeão do Troféu do Interior com o Santo André (além de ter livrado o time do ABC do rebaixamento), Sérgio Soares chegou ao Goiás no começo deste mês para ocupar o lugar de Sílvio Criciúma, que havia sido tricampeão estadual, mas não conseguiu nenhuma vitória em sua curta passagem, tendo aproveitamento de menos de 20%.

Publicidade
Publicidade

Foram duas derrotas e dois empates.

A diretoria do clube anunciou também que o nome do novo treinador será anunciado ainda nas próximas horas. Seja qual for o escolhido, o sucessor de Sérgio Soares terá um bom tempo para trabalhar, uma vez que o Esmeraldino só volta a jogar pela #Série B no dia 6 de junho, novamente no Serra Dourada, contra o Santa Cruz.

O time é o 15º colocado com 2 pontos, mas poderá terminar a terceira rodada na zona do rebaixamento. E para complicar ainda mais, a equipe já fez seu jogo da quarta rodada, o que poderá fazer o time voltar a campo na lanterna da competição.

Outro pode cair

O sábado pode reservar outra troca de treinador. Após sofrer a terceira derrota em três jogos, o cargo de Deivid à frente do Criciúma corre sério risco. Segundo informações que circulam na imprensa, o presidente do clube, Jaime Dal Farra, fará em um breve pronunciamento para posicionar-se sobre a questão.

Publicidade

Após a derrota, de virada, por 3 a 1 contra o América Mineiro, a torcida protestou bastante, pedindo a saída do treinador e até mesmo membros da diretoria. Em entrevista, Deivid disse entender os protestos. “Incentivar eles não iriam, perdemos o jogo”, disse. Sobre sua possível demissão, o treinador afirmou que sua vontade é seguir dirigindo o time, mas que esta é uma decisão do presidente. “Se quiser que eu continue, vou trabalhar intenso”, afirmou.

Para complicar ainda mais a situação do Tigre, seus dois próximos jogos serão bem longe de Santa Catarina. No próximo sábado (3), a equipe viaja até Lucas do Rio Verde, para encarar o Luverdense. Três dias depois, na terça-feira (6), vai até Caxias do Sul para medir forças com o Juventude. #Dança dos Técnicos