Em meio a tantos problemas internos, o São Paulo teve uma boa notícia na noite desta terça-feira (16), quando a diretoria divulgou que o clube contará com dois novos patrocinadores. O Banco Intermedium, que já apoiava o clube, e a MRV Engenharia fecharam acordo com o Tricolor até a metade de 2020. Os contratos renderão aos cofres do Tricolor cerca de 42 milhões de reais, segundo o site Globoesporte. Os contratos ainda passarão pelo Conselho Deliberativo do clube.

Um fator a ser destacado no acordo é que esse montante não depende de metas. Ou seja, será pago em sua totalidade independente do que o time apresentar dentro de campo, diferente da prática que vem sendo usada por alguns clubes na hora de fechar seus patrocínios.

Publicidade
Publicidade

Outro ponto importante é que existem outras ações a serem acertadas entre o clube e as empresas, o que evitaria gastos. Segundo informações também do Globoesporte, não haverá investimento na contratação de jogadores, a exemplo do que a Crefisa faz com o Palmeiras.

A marca do banco, que já aparece nas costas do uniforme da equipe, a partir do próximo mês também estará exposta no peito, espaço atualmente ocupado pela Corr Plastik, o que lhe dá o status de patrocinador master. Já o logo da construtora mineira será colocado nos ombros da camisa.

De volta

Outra boa noticia para o torcedor do São Paulo foi a volta do atacante Wellington Nem aos treinos com bola. Fora de combate desde o primeiro jogo das semifinais do Campeonato Paulista contra o Corinthians, o jogador havia sido submetido a uma artroscopia no joelho esquerdo.

Publicidade

Durante o período que esteve em campo, ele fez vários exercícios aeróbicos com bola e correu pelo gramado. O atacante atuou em 15 dos 24 jogos feitos pelo time neste ano.

Foi contra o Corinthians

A bronca de #Rogério Ceni nos vestiários, onde ele teria acertado o jogador Cícero com uma prancheta, aconteceu no intervalo do jogo do Corinthians pelas semifinais do Campeonato Paulista, no Morumbi. Setorista do clube, o jornalista Eduardo Afonso apurou que, diferente do que tinha sido dito antes pelo colega de emissora Alê Oliveira, não foi na partida contra o Defensa y Justiça que o fato aconteceu, pois o atleta nem sequer havia atuado. O jornalista apurou no intervalo da partida, quando o time já perdia por 2 a 0, que o treinador entrou no vestiário muito nervoso, chutando várias coisas e jogou a prancheta, que acabou acertando o jogador de forma intencional.

Ainda de acordo com o jornalista, no último sábado (13), Rogério teve conservas individuais com as principais lideranças do grupo, que relataram que os jogadores menos experientes estavam um pouco assustados com a explosividade do técnico. Ele se desculpou da atitude e, então, o grupo se fechou em torno dele. Para Eduardo Afonso, esse é um dos fatores que ainda mantém Ceni no cargo. #São Paulo FC #Brasileirão