O planejamento do #Fluminense de reestrear no Estádio Giulite Coutinho no dia 3 de julho, uma segunda-feira, às 20h (de Brasília), corre o risco de ser adiado. Na manhã deste sábado (24), a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) informou que o Tricolor tem até a quarta-feira que vem (28) para apresentar os laudos liberatórios do estádio de Édson Passos, distrito de Mesquita, Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Caso contrário, enfrentará a Chapecoense pela 11ª rodada do Campeonato Brasileiro no Maracanã.

Depois do acidente ocorrido no final de 2016, quando parte da arquibancada desabou por conta da fortes chuvas no Rio naquela ocasião, o Giulite Coutinho chegou a receber algumas partidas do Flu no último Estadual, mas, em meados de março, o Corpo de Bombeiros acabou não renovando a licença de utilização do estádio, o chamado Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), assinado, inicialmente, em 2014.

Publicidade
Publicidade

Para complementar, fazendo uso de uma ação cível da Promotoria de Proteção ao Idoso e à Pessoa Portadora de Deficiência do município de Nova Iguaçu, o Ministério Público questionou o alvará de funcionamento do estádio.

Na segunda passada, dirigentes do América-RJ, clube proprietário do Giulite Coutinho, encontraram-se com representantes do Ministério Público e da Prefeitura de Mesquita. Nesse encontro, foi selado um acordo aditivo ao TAC que trata da acessibilidade ao estádio. Dessa forma, o campo não possui mais qualquer impedimento e está apto a receber novos laudos e, assim, ficar disponível a receber partidas oficiais.

Para honrar o compromisso com as instituições públicas, o América-RJ necessitará fazer pequenas obras, como bilheterias adaptadas e rampas a cadeirantes, banheiros acessíveis e elevador.

Publicidade

Esses empreendimentos custarão pouco mais de R$ 3 milhões aos cofres rubros.

Enquanto todas as tratativas burocráticas não forem sanadas, o Fluminense, que deseja fugir das altas taxas de aluguel impostas pela concessionária administradora do Maracanã, segue a sua postura de cautela quanto a uma possível renovação de parceria com o América-RJ para jogar no Giulite Coutinho.

Sonhando em acabar com o fato de o Fluminense ser o único dos grandes do Rio a não ter uma "casa", o vice de projetos especiais do clube, Pedro Antônio, em entrevista concedida ao site Globo Esporte, garantiu que vem trabalhando para a construção de um estádio no Parque Olímpico ou, em último caso, revitalizar o tradicional campo das Laranjeiras.

"Nós, a torcida tricolor, queremos estádio. Teremos o estádio. O Fluminense não pode ser um clube sem telhado, sem casa. Acabou", afirmou Pedro Antônio. Antes da Chapecoense, o Fluminense, sexto colocado com 14 pontos, tem um importante desafio no Brasileirão neste domingo (15), às 16h (de Brasília), contra o São Paulo, no Morumbi. #Mercado da bola #PaixãoPorFutebol