O técnico Levir Culpi terá pela frente uma série de problemas para encarar o Flamengo, pela partida de ida das quartas de final da Copa do Brasil, nesta quarta-feira (28), na Ilha do Urubu. Com pneumonia, o atacante Ricardo Oliveira, que já estava fora por conta de uma lesão no tornozelo, terá que passar por uma reavaliação para saber quando poderá voltar aos treinamentos, enquanto que o volante Thiago Maia, com virose, nem viajará ao Rio de Janeiro.

Após uma série de exames realizados pelo departamento médico santista, foi diagnosticada a doença no jogador e não se sabe quando ele retornará às atividades, enquanto isso ele ficará de repouso em sua residência.

Publicidade
Publicidade

Na semana passada, o clube havia informado que ele estava gripado.

Ele era esperado para ir ao clube nesta terça, onde passará por nova avaliação e assim saber em quanto tempo poderá voltar a treinar. O atacante não entra em campo desde o clássico diante do Corinthians por problemas no tornozelo. No entanto, ele já estava recuperado dessa contusão e poderia até mesmo ter entrado em campo para enfrentar o Sport, mas em razão deste novo problema acabou ficando de fora da partida.

Outro problema certo para o #Santos é o volante Thiago Maia, que foi acometido por uma virose. Leandro Donizete, que recentemente se queixou por não estar sendo aproveitado e que até mesmo ameaçou pedir para deixar o clube, deverá ser seu substituto. Por outro lado, Kayke, que estava gripado, deverá ser relacionado para o confronto.

Publicidade

Do Rio de Janeiro, o elenco alvinegro viajará na quinta-feira (29), para Goiânia, onde encara o Atlético Goianiense pela 11º rodada do Campeonato Brasileiro. O duelo de volta contra o #Flamengo pela #Copa do Brasil está marcado somente para o dia 26 de julho. O Santo queria levar o duelo para o Pacaembu, mas terá que jogar na Vila Belmiro.

Pior semestre em quase 100 anos

A derrota para o Sport por 1 a 0, no último sábado (23), fez o Santos ter o pior desempenho em seu campo em um semestre em quase um século. Desde 1923 que o Peixe não perdia mais de quatro jogos em seu alçapão em seis meses.

Foram três derrotas no Campeonato Paulista: para São Paulo, Ferroviária e Palmeiras, e duas pelo atual Brasileiro, para Cruzeiro e Sport. Em 1923 os algozes foram Paulista, São Bento (não o de Sorocaba e sim o de São Paulo), Paulistano, Sírio e Palmeiras, na época ainda chamado de Palestra Itália. Caso sofra mais quatro derrotas na Vila até dezembro, o time chegará a nove e igualará seus piores anos na Vila, que foram em 1940, 1952 e 1986.