O Palmeiras ainda é muito forte no #Mercado da bola. Somente em 2017 mais de sete reforços foram contratados, entre eles Miguel Borja, Alejandro Guerra e Felipe Melo. Luan, Juninho e Mayke são outros nomes confirmados pelo Verdão e que devem ser inscritos na Copa Libertadores da América, objetivo máximo do Alviverde no ano.

É do Palmeiras!

Após duas semanas de extensa negociação, o volante Bruno Henrique é o novo reforço do Palmeiras para a temporada 2017. O clube desembolsou o valor de 3,5 milhões de euros e o contrato findará em 2020. Em rede social, o jogador divulgou um vídeo falando como palmeirense e até uma frase famosa italiana repetida pelos torcedores, "Scoppia che la vittoria è nostra".

Publicidade
Publicidade

No Corinthians, em 2015, Bruno Henrique foi uma das peças-chave do elenco Campeão Brasileiro. Tinha papel fundamental no elenco do técnico Tite. E por falar em Tite, Maurício Galiotte, presidente do #Palmeiras, foi chefe da delegação da seleção brasileira em dois amistosos realizados na Austrália. Durante a viagem, Galiotte conversou com Edu Gaspar, ex-gerente de #Futebol do alvinegro, e Tite, ex-técnico. A ideia foi colher referências da postura do volante extra-campo e se a contratação era uma boa escolha. Tanto Tite quanto Edu confirmaram a boa conduta do atleta. Então Galiotte endossou a contratação para Alexandre Mattos, que bateu o martelo com o Palermo.

Falta o atacante

Após fechar com o substituto de Felipe Melo, que passou por cirurgia, é a vez de correr atrás de um centroavante para fazer 'sombra' para Miguel Borja.

Publicidade

Desde que chegou o colombiano não tem feito boas partidas e preocupa muito a comissão técnica do clube. O técnico Cuca reiterou várias vezes que precisa de um jogador para a posição e vai tentar fazer uma adaptação mais rápida de Borja ao futebol brasileiro, mas não existe um prazo concreto para isso.

Diego Tardelli foi a opção que esteve mais perto, mas não deu certo. Com salário altíssimo na China, Tardelli não quis retornar. A diretoria ainda tem a possibilidade de concretizar negócio com o Fluminense por Richarlison, mesmo sendo complicado no momento. Após receber proposta tentadora do Verdão, o atleta preferiu não viajar e não encarar o duelo no Allianz Parque. Disse para o técnico Abel Braga e para o executivo Alexandre Torres que 'estava sem cabeça'. O fato irritou a diretoria tricolor, que pretende boicotar o negócio e até concluir conversas com algum time do exterior.

Cena para os próximos capítulos.