O meia peruano Christian #Cueva, camisa 10 e um dos principais jogadores do São Paulo no momento, não pode entrar em campo contra a Ponte Preta, no domingo, em Campinas, por um motivo surpreendente.

O jogador estava com dores em um dos pés e a comissão médica da equipe paulista resolveu utilizar um spray para amenizar a dor e possibilitar que o meia entrasse em campo no Estádio Moisés Lucarelli.

O que ninguém se atentou é que o spray utilizado continha substância proibida, que poderia ser caracterizada como #Doping. Por precaução, após a aplicação do produto, os médicos do clube resolveram barrar Cueva.

A falta de atenção da equipe médica pode ter custado a vitória para o São Paulo.

Publicidade
Publicidade

Sem o peruano, o time de Rogério Ceni perdeu para a Ponte Preta por 1 a 0 e permanece com seis pontos no Campeonato Brasileiro. São duas vitórias e duas derrotas na competição nacional até o momento.

Dependência

Para alguns, o São Paulo sofre de “Cuevadependência” e só vai bem quando o meia peruano está inspirado. Não deixa de ser verdade. O problema é que Cueva não bem tão bem desde que sofreu lesão na coxa em partida das Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018.

Cueva voltou ao Tricolor, mas ainda não apresentou o bom futebol que lhe deu grande destaque no ano passado. O time comandando por Rogério Ceni senti isso e não tem um apresentado um futebol vistoso.

Nas últimas sete partidas que disputou, Cueva não marcou nenhum gol e já passou a ser contestado por parte da torcida, que anda impaciente com o futebol apresentado pelo São Paulo não só nas últimas partidas, mas nos últimos anos.

Publicidade

O último título do Tricolor foi conquistado em 2012. Para piorar a situação, os maiores rivais – Corinthians, Palmeiras e Santos – foram campeões nos últimos anos.

Doping

Após as partidas de futebol profissional, dois ou mais jogadores de cada equipe são escolhidos para fazerem o exame de doping. A ideia é evitar que atletas profissionais utilizem medicamentos que melhorem seus desempenhos.

Um dos casos mais famosos de doping foi o do craque argentino Diego Maradona, na Copa do Mundo de 1994, nos Estados Unidos. Aos 33 anos, Maradona voltava de uma suspensão por uso de cocaína e queria provar ao mundo que ainda estava em forma.

Ele quase conseguiu, mas foi pego no exame antidoping, teve que deixar a seleção argentina e viu a equipe ser desclassificada do Mundial nas oitavas de final, após derrota para a Romênia.

Caso Cueva entrasse em campo pelo São Paulo e fosse pego pelo antidoping, poderia ser punido e o clube também correria o risco de sofrer as consequências. #São Paulo FC