O clima não ficou nada bom para dois jogadores do #Figueirense. O zagueiro Marquinhos e o atacante Zé Love usaram as #Redes Sociais nos últimos dias para postar mensagens emblemáticas, o que deu a entender que eles estivessem se queixando de salários atrasados. A atitude dos atletas desagradou ao presidente Wilfredo Brillinger, que disse que iria tomar providências cabíveis.

O zagueiro Marquinhos, com passagem pelo Corinthians, usou sua conta no Twitter na última sexta-feira (10), para postar a seguinte frase: “Quando o respeito acaba é hora de mudar !!!!! O correto no futebol não existe , vida q segue(sic)”. Já o atacante Zé Love, com passagem marcante pelo Santos, usou o Instagram para postar uma foto se exercitando em uma academia com a seguinte legenda: bom dia p você que o mês tem 90 dias!”, escreveu.

Publicidade
Publicidade

A postagem das mensagens foi desaprovada pelo mandatário do clube, que prometeu ser extremamente rigoroso. “Evidentemente que isso não vai passar em branco”, declarou. Ele disse que quando se usa redes sociais há de se tomar muito cuidado. Ele falou que os jogadores são livres para postar nas redes assuntos pessoais, porém não estão autorizados a usar o nome do clube e disse que irá conversar com os envolvidos. “Vamos ouvi-los e depois vamos tomar a decisão", afirmou.

Sobre os salários atrasados, Brillinger admitiu que realmente existem as pendências, mas que isso está sendo resolvido e repetiu que não permite que as redes sejam usadas para falar do clube.

Não foi bem assim

O zagueiro Marquinhos negou que a postagem feita na semana passada tivesse relação com salários atrasados. O jogador disse que a mensagem foi direcionada ao treinador Márcio Goiano.

Publicidade

Ele explicou que não existe conversa entre os dois e que não gostou da forma como foi sacado da equipe titular.

Já Zé Love disse que a mensagem postada por ele é por causa do tempo de recuperação de sua contusão, que o tem deixado fora de combate desde o returno do Campeonato Catarinense. No dia da postagem, segundo ele, se completavam exatamente 90 dias que ele estava em recuperação. “Eu não coloquei a palavra salário lá, falei do mês ter 90 dias porque estou ansioso para voltar, faltam 30 dias para eu jogar”, explicou.

Antes de se explicarem, os dois jogadores tiveram uma reunião com a diretoria e a situação contratual não foi alterada, com os dois jogadores permanecendo no clube. Há quatro jogos sem vencer, o Figueirense volta a jogar nesta terça-feira (13), pelo Campeonato Brasileiro da #Série B, quando encara o Criciúma, no Orlando Scarpelli, às 21h30.