O Palmeiras empatou com o Atlético-MG no final de semana em 0 a 0. O resultado fez parte da torcida vaiar a equipe, apesar de claramente ter demonstrado evolução, principalmente na troca de passes e na criação de oportunidades.

Classificado para as oitavas de final da Copa Libertadores da América e também para as quartas de final da Copa do Brasil, o Alviverde está fazendo testes no Brasileirão. O volante Felipe Melo, por exemplo, ficou entre os reservas no final de semana e deu lugar à Thiago Santos. Mayke foi titular e Keno entrou no lugar de Dudu, lesionado.

Na quarta-feira, o Palmeiras encara o Coritiba pelo Brasileiro e precisa vencer para respirar e melhorar um pouco a classificação.

Publicidade
Publicidade

Mesmo não sendo prioridade, é importante no clube que o time alcance posições acima para não depender de resultados no final da competição. Dependendo dos resultados, o #Palmeiras terá muitos jogos 'encavalados' até dezembro. Se conquistar a América, terá que viajar na sequência para disputar o Mundial de Clubes. Se isso acontecer, ainda tem o tempo de preparação e planejamento da viagem.

Reforço?

Cuca disse mais uma vez assim que o juiz apitou o final da partida no Allianz Parque que o time precisa de um novo camisa 9. A imprensa especulou alguns nomes como, por exemplo, Éverton Ribeiro. O fato é que o atacante já estava com negociação avançada com o Flamengo, que bateu o martelo. Amigo pessoal de Alexandre Mattos, executivo de #Futebol, o atleta conversou poucas vezes e não viu pleno interesse do Alviverde em sua contratação.

Publicidade

Segundo o portal Fox Sports, o Palmeiras tem interesse na contratação de Diego Tardelli, que está de férias no Brasil. A torcida, por meio das redes sociais, tem feito uma enorme pressão em cima do clube e também da atual patrocinadora, Crefisa/FAM. A pressão foi tão forte que fez Leila Pereira, presidente das empresas, conceder entrevista para alguns veículos para explicar a situação e todo o processo de contratação.

De acordo com a executiva, o Palmeiras informa o nome do atleta e a empresa vê se é possível. Se tiver sinal positivo, o Alviverde bate o martelo. Caso contrário a informação é repassada e o clube tenta alternativas próprias, caso for. Outro ponto importante tocado por Leila é que toda a receita da venda de jogadores não vai para a patrocinadora, e sim para os cofres do clube. Com isso o Palmeiras tem a chance de fazer um grande caixa se vender atletas no meio ou no final do ano. #Mercado