Fluminense e Flamengo ainda não embalaram no Campeonato Brasileiro. Ocupando a 11º e a 12º posições, ambos com 10 pontos, respectivamente, os rivais se enfrentam às 16 horas, no Estádio do Maracanã – que terá torcida dividida meio a meio -, buscando pular para a metade de cima da tabela. Para este duelo, os times terão a volta de jogadores que estavam com suas seleções durante a data Fifa.

No lado do #Fluminense, Abel Braga terá a volta de Orejuela, que esteve a serviço do selecionado equatoriano e ocupará um lugar no meio de campo. Recuperado de uma lesão no púbis, Wellington Silva poderá aparecer como opção no banco de reservas.

Publicidade
Publicidade

Para tentar quebrar uma sequencia de três jogos sem vitória, Abel Braga deverá manter praticamente a mesma formação que perdeu para o Grêmio na quinta-feira (15), iniciando o jogo com Júlio César no gol, Lucas e Léo nas laterais e a zaga formada por Henrique e Reginaldo. No meio, o equatoriano Orejuela, Wendel e Gustavo Scarpa. Na frente, Richarlison, Marquinhos Calazans e Henrique Dourado.

Pelos lados do #Flamengo, que viveu dias mais tranquilos após a vitória por 2 a 0 sobre a Ponte Preta, as novidades ficam por conta do retorno de Guerrero e Trauco, que, depois de servirem a seleção do Peru, entrarão nos lugares de Renê e Leandro Damião. Para se poupar de grande sequencia de partidas, o zagueiro Juan deverá ser novamente preservado, com Rafael Vaz seguindo como titular. Outro que segue na equipe é o colombiano Cuéllar.

Publicidade

Com essas mudanças, Zé Ricardo começará a partida mais uma vez com o jovem Thiago no gol. A defesa formada por Rodinei, Réver, Rafael Vaz e Trauco. Márcio Araújo (ou William Arão), Cuéllar e Diego no meio. Mais à frente, Vinícius Júnior, Everton e Guerrero.

Despesa de quase 70%

Finalmente, o Flamengo conseguiu, na última quarta-feira (14), atuar no estádio da Ilha do Governador, batizado pelo clube de Ilha do Urubu. O primeiro jogo na nova casa, contra a Ponte Preta, foi visto por pouco mais de 13 mil pagantes, o que gerou R$ 803 mil de renda.

Desse montante, apenas R$ 209 mil foram para os cofres rubro-negros, uma vez que 69,3% do arrecadado na bilheteria foram para custear despesas. De acordo com o borderô da partida, apena o custo com segurança privada foi de R$ 198 mil, enquanto que as despesas com trânsito consumiram outros R$ 46 mil.

Já as contas de consumo foram R$ 50 mil, além de R$ 36 mil em ações de penhora. O total de despesas foi de R$ 557.794. Mesmo com esses números, a opção em jogar na Ilha se mostra financeiramente acertada, uma vez que se jogasse no Maracanã teria que levar um público pelo menos três vezes maior para não ficar no prejuízo. #Fla-Flu