Durante os treinamentos da equipe do Sport Club #Campo Mourão, time da terceira divisão do Paraná, realizado na última terça-feira (25), o atacante João Pedro da Silva Rocha, de 21 anos, sofreu um infarto fulminante momentos após entrar em campo e morreu. Ele, junto com outros atletas, passava por uma avaliação para ver se integraria o elenco que começa a disputar a competição a partir de setembro. Trazido pelo técnico Adriano Kanaã, ele havia chegado ao clube no dia anterior.

“Entrou em campo, deu um toque na bola e logo falou para um menino que não estava se sentindo bem”, disse o treinador. Segundo ele, enquanto aguardava a chegada do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), eles tentaram realizar os primeiros socorros.

Publicidade
Publicidade

Apesar de a ambulância ter chegado em menos de cinco minutos, o jogador já estava morto. “Foi um infarto fulminante", disse.

O treinador lamentou muito a morte de seu atleta, com quem já havia trabalhado em outros times. “Nunca imaginei que veria isso na minha carreira”, completou o treinador.

O jogador, que teve passagem pelas categorias de base de Grêmio e Internacional, morava com os familiares em Porto Alegre, onde foi enterrado.

Outros casos

No #Futebol Brasileiro, o caso mais conhecido de um jogador que morreu em atividade foi do zagueiro Serginho, do São Caetano, em um jogo do Campeonato Brasileiro, de 2004, contra o São Paulo, no Morumbi.

Pelo mundo do futebol, também há outros casos. Também em 2004, o húngaro Miklos Feher, então jogador do Benfica, na época com 24 anos, caiu no gramado e morreu durante um jogo contra o Vitória de Guimarães.

Publicidade

Alguns meses antes, durante jogo da Copa das Confederações, na França, o camaronês Marc Vivien Foe morreu durante a partida contra a Colômbia.

Ainda na Europa, Antonio Puerta, que jogava pelo Sevilla, morreu um dia depois de ter passado mal em um jogo contra o Getafe. Na Itália, Piermario Morosini sofreu uma parada cardíaca enquanto defendia do Livorno em duelo contra o Pescara pela segunda divisão do italiano.

Os casos mais recentes são do volante marfinense Cheick Tioté, que no inicio do mês passado se sentiu mal após um treino do Beijing Enterprises, equipe que disputa a segunda divisão do Campeonato Chinês. O jogador havia disputado as duas últimas Copas do Mundo pela seleção da Costa do Marfim, tendo, inclusive, jogando contra o Brasil em 2010. Também no mês passado, o paraguaio Bruno Cañete, de apenas 16 anos, morreu durante o treinamento de sua equipe após sofrer uma convulsão provocada por uma bolada no estômago. #Luto