Noite de 8 de junho, estádio do Morumbi, jogo da quinta rodada do Campeonato Brasileiro, o São Paulo recebia o Vitória e com gols de Pratto e Thomaz e se reabilitava no tropeço sofrido no final de semana anterior, diante da Ponte Preta, em Campinas. Mal sabia o torcedor que aquele seria o último triunfo do Tricolor até o momento na competição.

De lá pra cá muita coisa aconteceu: entrada e saída de jogadores, demissão de técnico, declarações polêmicas de derrotas. Foram seis, a começar no jogo seguinte, por 3 a 2, no clássico diante do Corinthians, em Itaquera, e apenas três pontos – todos por empates – conquistados neste período, o que deixou o agora elenco comandado por Dorival Júnior na 18ª posição, dentro da zona de rebaixamento.

Publicidade
Publicidade

Entre a última vitória e a derrota no majestoso, a porta de entrada e saída do Morumbi seguiu movimentada. Dois dias antes do clássico a diretoria apresentou o atacante Denílson, vindo do Avaí, porém horas depois viu Chavez se despedir pelas redes sociais.

Após o jogo contra o Corinthians, o Tricolor viajou até Recife para encarar o Sport, que ainda não vivia a atual boa fase e voltou de lá com um empate sem gols. Pior mesmo estava por vir no jogo do Morumbi, quando os comandados do técnico Rogério Ceni perderam para o Atlético Mineiro por 2 a 1, em jogo que também foi o fim da linha para mais um jogador. Após falhar nos gols do Galo, o zagueiro Lucão disse em entrevista depois do jogo que a torcida que o vaiou poderia ficar tranquila, pois logo estaria indo embora do clube. Nunca mais vestiu a camisa do São Paulo.

Publicidade

Sem a dupla de zaga que jogou contra os mineiros, uma vez que Maicon que estava sendo negociado também não foi relacionado, o São Paulo foi até Curitiba encarar mais um Atlético, sendo derrotado por 1 a 0, completando quatro jogos sem vencer. Horas antes havia sido anunciado o acerto com o argentino Gómez. Na sexta-feira (23), foi confirmada a ida de Maicon para o futebol turco.

Contra o Fluminense aconteceu o que seria a última partida do técnico Rogério Ceni dentro do estádio do Morumbi. O empate em 1 a 1 aumentou o jejum de vitória do Tricolor, além de deixá-lo às portas da zona do rebaixamento, e ainda colocou mais pressão sobre o técnico.

Nem mesmo a semana sem jogos serviu para acalmar as coisas, apesar das chegadas de Arboleda e Petros, Thiago Mendes foi mais um jogador a deixar o clube. Na sexta-feira que antecedeu ao duelo contra o Flamengo, o auxiliar inglês, trazido por Ceni do Liverpool, Micheal Beale, pediu demissão. A porta de saída continuou escancarada no sábado, com a transferência de João Schmidt para a Atalanta.

Publicidade

Mês novo, mas a rotina de mais resultados segue e jogando no Rio de Janeiro, o São Paulo aumenta para seis o número de jogos sem vitória ao ser batido pelo Flamengo por 2 a 0. No dia seguinte é anunciada a demissão de Rogério Ceni. Dias antes, o presidente Leco havia dito que ele estava seguro no cargo.

No dia 5 de julho, Dorival Júnior é anunciado como novo técnico do São Paulo, mas alegando problemas pessoais, só assumiria o clube depois do clássico contra o Santos na Vila Belmiro. Até lá, o time seria dirigido interinamente por Pintado, que também não ficou longe das polêmicas. Uma delas envolvendo Cueva, que se recusou a viajar ao saber que ficaria no banco de reservas. O jogo terminou 3 a 2 para o Peixe e mais uma rodada dentro da zona de rebaixamento.

Dorival iniciou seu trabalho oficialmente no dia 10, e a diretoria são-paulina decidiu afastar Pintado do time principal, além de demitir dois membros da comissão técnica, no dia seguinte foi anunciada a contratação do zagueiro Aderllan, fato que provocou muitas comemorações dos torcedores do ex-time.

A estreia do novo treinador ocorreu na última quinta-feira (13) e o adversário e cenário não poderiam ser melhores. Jogando no Morumbi que recebeu um ótimo público e contra o lanterna Atlético Goianiense o time mais uma vez decepcionou e não foi além de um empate em 2 a 2.

O capítulo mais recente aconteceu no último domingo (16), quando o time foi até Chapecó e foi derrotado por 2 a 0 pela Chapecoense, que está longe de seus melhores dias na temporada. Para completar, o elenco ainda teve que viajar de ônibus de Chapecó até Curitiba em razão do aeroporto da cidade estar fechado o que acabou atrapalhando a programação de treinos.

Nesta quarta-feira (19), contra o Vasco, o São Paulo terá a chance de quebrar essa má sequência, novamente jogando no Morumbi. Se falhar, correrá o risco de ver a distancia para o último time fora o Z-4, que atualmente é de três pontos, dobrar. #Dança dos Técnicos #São Paulo FC #Brasileirão