Após duas rodadas de ausência, a dança dos técnicos voltou a dar as caras no Campeonato Brasileiro. O dançarino da vez foi o técnico Jorginho, demitido do #Bahia, após derrota para o Sport, em Salvador, pelo placar de 3 a 1. Com isso, a Série A, que ainda nem chegou ao final de seu primeiro turno, já acumula 14 trocas de comando, sendo que duas apenas do Tricolor de Aço.

Um dos motivos para a demissão do treinador foi o baixo rendimento como mandante. Já são cinco jogos sem vitória dentro de seus domínios, sendo a última contra o Cruzeiro, no dia 8 do mês passado. O bom rendimento no começo da competição, aliado a bons resultados fora de casa, ainda mantém a equipe fora da zona de rebaixamento.

Publicidade
Publicidade

O Bahia é o 14º colocado, com 19 pontos.

Contratando para o lugar de Guto Ferreira, que aceitou dirigir o Internacional na Série B e hoje balança no Colorado, o agora ex-treinador foi apresentado no dia 1º de junho e nos 60 dias que esteve à frente do time disputou 14 partidas, conquistando quatro vitórias, empatando outras quatro e perdendo seis.

Após o final do jogo contra o Sport, Jorginho foi muito vaiado pela torcida, que pedia sua demissão, e na entrevista coletiva chegou a se irritar ao ter seu trabalho comparado com o de seu antecessor. “Não sou igual ao Guto. Não quero me comparar, mas você tem que lembrar que as condições de jogo são completamente diferentes”, disse o técnico, lembrando que está disputando o #Brasileirão, enquanto que a maioria dos jogos que Guto dirigiu o Bahia, eram válidos pela Copa do Nordeste e estadual.

Publicidade

O clube anunciou que para a partida desta quarta-feira (2), em Santa Catarina, contra a Chapecoense, o time será dirigido de maneira interina pelo auxiliar Preto Casagrande. De acordo com o jornalista da ESPN Brasil, Jorge Nicola, pessoas ligadas a Antônio Carlos Zago já teriam entrado em contato com a diretoria do clube, oferecendo os serviços do treinador.

Remanescentes

Dos 20 times da Série A do Campeonato Brasileiro, metade deles já trocou de treinador ao longo da competição e apenas cinco estão com o mesmo técnico desde a última rodada do ano passado. Grêmio, com Renato Gaúcho, Botafogo, com Jair Ventura, Flamengo, com Zé Ricardo, Cruzeiro, com Mano Menezes, e Avaí, com Claudinei Oliveira, são os times que viraram o ano com o mesmo técnico. Corinthians (Fábio Carille) e Fluminense (Abel Braga) começaram o ano com novos treinadores, enquanto que Palmeiras, Ponte Preta, Vasco trocaram de técnico neste ano, mas antes do início do Brasileirão. #Dança dos Técnicos