O ultimo sábado (08), foi o dia em que se realizou a 12º rodada da atual temporada do campeonato brasileiro. Para as duas maiores torcidas cariocas, a do #Vasco da Gama e a do Flamengo, seria mais um esperado clássico dos milhões, que já se tornou parte do folclórico imaginário do torcedor brasileiro.

O jogo, que foi realizado no estádio de São Januário, despertou até um sentimento de amedrontamento no treinador flamenguista, que reconhece a história de glórias vivida no estádio do gigante da colina. O jogo começou acirrado e bastante disputado, com poucas oportunidades de gols; o primeiro tempo acabou empatado em 0x0, mas logo no início do segundo tempo o gol foi marcado por Everton e o acontecido calou as bocas da torcida cruzmaltina.

Publicidade
Publicidade

Ao findar do jogo, uma briga generalizada tomou conta das arquibancadas, tornando o estádio sagrado em um verdadeiro campo de batalha, onde torcedores rubro-negros, infiltrados, começaram a atirar rojões na direção da policia e dos jogadores flamenguistas. O mesmos torcedores foram os responsáveis por iniciar a briga, que se arrastou até o lado de fora do estádio e culminou na morte do jovem David Rocha Lopes, de 26 anos, que foi baleado e conseqüentemente morto.

Como punição ao episódio, o STJD (Supremo Tribunal de Justiça Desportiva) e a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) interditaram o estádio do clube cruzmaltino e agendaram para a próxima semana o julgamento que pode fazer o Vasco perder até 25 mandos de campos, mas a punição pode não parar por aí, já que o Ministério Público pode indiciar a diretoria cruzmaltina por associação e beneficiação à torcida organizada.

Publicidade

Investigação

O Ministério Público, através de investigações, conseguiu provas concretas da ligação entre a diretoria cruzmaltina e a torcida organizada “Força Jovem”, a qual o MP se refere como facção criminosa, no laudo publicado nesta ultima terça-feira(11).

Além de detectar a venda de ingressos, indevidamente cedidos à torcida organizada, os investigadores tiveram acesso a fotos de torcedores que estão proibidos de freqüentar estádios em um camarote exclusivo para a torcida.

Como o ocorrido em São Januário acarretou na morte de um torcedor e a ligação entre a instituição e torcida está comprovada, o procurador do órgão público não descarta a possibilidade de indiciar criminalmente a diretoria do clube. Ao ser procurado pela redação da ESPN Sport, o presidente afirmou que o caso já está nas mãos dos profissionais do jurídico do clube. #Esporte