Após a partida da última rodada do Campeonato Brasileiro, quando o #Vasco da Gama perdeu para o Flamengo pelo placar de 1x0, a torcida vascaína entrou em confronto com a Polícia Militar do Rio de janeiro, e os confrontos se arrastaram até o lado de fora do estádio de São Januário. A confusão que se originou ao final do jogo, quando os torcedores do clube cruzmaltino começaram a atirar bombas nos jogadores do Flamengo, a fim de não permitir a saída para o vestiário, acabou resultando na morte de um jovem torcedor do Vasco: David Rocha Lopes, de 26 anos.

Como medida imediata e com caráter pedagógico, o STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) acatou o pedido de restrição e interdição de São Januário feito pela CBF (Confederação Brasileira de #Futebol).

Publicidade
Publicidade

O pedido da CBF foi no sentindo de impedir a realização de jogos organizados pela instituição no estádio cruzmaltino até que aja um julgamento do caso no STJD.

Ficar sem jogar em seu próprio estádio significa, para o Vasco da Gama, complicações que vão além das quatro linhas. O Vasco é o segundo melhor mandante da competição, ficando atrás apenas do Corinthians. Dos 16 pontos conquistados pela a equipe comandada pelo técnico Milton Mendes, 15 foram conquistadas no estádio.

As outras opções mais viáveis ao Vasco seria mandar seus próximos jogos no Maracanã ou no Engenhão, mas como a equipe pode pegar até 25 jogos de punição, essa quantidade de jogos pode se tornar um pesadelo econômico para o clube. Ao todo, jogando em São Januário, o Vasco conseguiu um lucro líquido de R$ 1,8 milhão, o que se tratando de clubes do Rio de Janeiro é um ótimo saldo, considerando que Botafogo está quase no vermelho em se tratando dessa modalidade, e o Fluminense aparece com saldo negativo de mais de R$ 1 milhão.

Publicidade

Além das punições que poderão serão sancionadas no julgamento pelo STJD, o clube já sofre represálias das empresas que patrocinam o clube. Em 2013, quando a torcida vascaína se envolveu em confusões com a torcida do Atlético Paranaense, a Caixa Econômica Federal, que hoje é patrocinadora master do clube, assim como a TIM, ameaçaram romper com o clube.

Dessa vez, a história não é diferente. A equipe de marketing do clube já entrou em contato com os parceiros do clube a fim de tentar minimizar os impactos causados e promete novidades em relação ao acontecido nas próximas semanas.

Investimento em obra e dispensas

Para liberar novamente o acesso de torcedores ao estádio, o Vasco da Gama aceitou as solicitações iniciais do STJD, que fez uma vistoria no estádio nesta terça-feira (11). A primeira solicitação da instituição é a construção de um muro que bloqueie o acesso da torcida as cabines de imprensa, dentre outras pedidas.

Na noite de segunda-feira (10), o clube carioca e o atacante Muriqui acertaram o termo da rescisão de contrato do jogador.

Publicidade

Muriqui chegou neste ano, no inicio da temporada, e chegou sendo um dos destaques do futebol chinês, que deve ser o provável destino do jogador. Muriqui teve dificuldades de se adaptar ao futebol brasileiro e sofreu muito com a adaptação do condicionamento físico.

O jogador abriu mão de todos os valores que tinha direito de receber para facilitar a dispensa do clube, já que viu a concorrência no ataque aumentar com a contratação do atacante Andrés Rios. #FutebolBrasileiro