Publicidade
Publicidade

A profunda crise financeira que atravessa o Mogi Mirim ganhou mais um triste capítulo na tarde deste sábado (12). Com salários atrasados, os jogadores atenderam uma orientação do Sindicato dos Atletas Profissionais e não entraram em campo para enfrentar o Ypiranga, no Estádio Vail Chaves, em Mogi Mirim, pela 14ª Rodada do Campeonato Brasileiro da Série C. [VIDEO] Com isso, o time gaúcho foi declarado vencedor por 3 a 0.

Com salários atrasados em até três meses, os jogadores já haviam sinalizado que não jogariam, conforme nota divulgada pelo Sindicato. A revolta dos jogadores aumentou ainda mais após a promessa de que parte dos salários seria quitada até a última sexta-feira não ter sido cumprida pelo presidente Luiz Henrique de Oliveira.

Publicidade

Minutos antes do horário marcado para a partida, alguns atletas se reuniram com o mandatário, mas não houve acordo.

Durante a semana, o presidente do clube revelou ter vendido bens pessoais para poder saldar algumas dívidas do clube, e até o ônibus usado no deslocamento da delegação foi colocado à venda, mas o valor arrecadado não foi suficiente para colocar fim à crise.

O Mogi Mirim é o lanterna do grupo 2 da #Série C do Campeonato Brasileiro, com apenas 10 pontos em 14 jogos, estando cinco atrás do Bragantino, primeiro time fora da zona do rebaixamento e que ainda joga na rodada. A equipe ainda terá quatro partidas para escapar do descenso, o que seria o quarto em dois anos. Nesta temporada, já caiu para a Série A-3 do Campeonato Paulista.

O próximo compromisso do Sapão está marcado para o dia 19 (sábado), em Minas Gerais, contra o Tupi, às 16 horas, em Juiz de Fora, isso se até lá haver acordo e os jogadores decidirem entrar em campo.

Publicidade

Uma das forças do interior de São Paulo

O Mogi Mirim é um dos times mais tradicionais do interior de São Paulo e viveu seu auge em meados dos anos 90, quando comandado por Vadão, contava com Rivaldo, Walber e Leto, que jogavam em um esquema tático conhecido como o Carrossel Caipira.

O time teve como patrono o empresário do ramo de autopeças Wilson Fernandes de Barros, que morreu em 2008, mesmo ano em que o time garantiu o acesso que lhe devolvia para a primeira divisão do Campeonato Paulista sob o comando de Argel.

Também em 2008, o clube foi comprado por Rivaldo, que já no final de carreira chegou a jogar ao lado do filho em algumas partidas. O pentacampeão, após garantir a permanência do time na Série B, venceu o Sapão no final de 2015. #FutebolBrasileiro #WO