Foram 35 minutos de felicidade, alívio e certeza de que o novo dia chegou para #Alan Ruschel. Um dos seis sobreviventes do trágico voo que vitimou a delegação da #Chapecoense ainda em novembro de 2016, o lateral-esquerdo voltou a jogar uma partida de futebol nesta segunda-feira e teve diante de si craques do porte de Lionel #messi e Luis Suárez, que, durante pouco mais da metade do primeiro tempo em que Alan esteve em campo, se curvaram à história de superação do jogador brasileiro.

Com a camisa branca de número 28, com detalhes em estrelas pequenas representando cada uma das vítimas, mais a faixa de capitão apertando o braço, Alan Ruschel puxou a fila da Chapecoense rumo ao gramado do sagrado Camp Nou, casa do Barcelona, que abrigou a partida amistosa válida pelo Troféu Joan Gamper.

Publicidade
Publicidade

Em campo, como já era de se prever, o Barça sobrou e aplicou 5x0 - mas o resultado ficou em segundo plano durante uma jornada que demonstrou que a vida vale mais do que tudo.

Durante os 35 minutos que esteve em campo, Alan tentou mostrar aquilo que vem reiteradamente falando nas entrevistas: é um jogador normal, como todos os outros, que deve ser cobrado ou elogiado pelo que fizer em campo, sem a "piedade" pelo que ocorreu no céu da Colômbia. E logo em seu primeiro lance mostrou desenvoltura. Longe de ser "café com leite", o jogador avançou em arrancada diagonal e tocou para Reinaldo seguir a jogada. Adversário? Que nada. O camisa 28 da Chape foi o mais aplaudido por um lotado Camp Nou.

A noite na Espanha foi ainda mais especial pelas presenças de Jackson Follmann e Neto, os dois outros jogadores da Chapecoense que sobreviveram ao acidente aéreo.

Publicidade

Ao final da partida, Ruschel comentou sobre o seu desempenho e saiu satisfeito com aquilo que conseguiu fazer mesmo em um contexto de celebração pelo retorno.

"Não imaginava que eu fosse me sair tão bem. Mais uma vez está provado que o ser humano precisa ter superação. Sempre dei tudo pelo meu trabalho e hoje acabei sendo coroado com um grande jogo diante do Barcelona", comentou o atleta da Chape.

Antes mesmo da bola rolar, fotos ganharam as redes sociais demonstrando a simpatia e humildade de Messi e Suárez. Eles tiraram fotos com os três sobreviventes e "quebraram o gelo" em uma noite tão significativa para os brasileiros. O astro argentino ainda foi além e presentou Ruschel com uma camiseta do Barcelona autografada: "Com todo o carinho e respeito, Leo 10".

"Foi uma honra muito grande viver esse momento e ainda ser presentado com uma camiseta do Messi. Esses momentos são muito bacanas, de agradecimento.

Publicidade

Foi fantástico falar com Messi, com Suárez, são pessoas humilides e que merecem tudo o que estão conquistando", comentou.

Mas Alan Ruschel já está deixando o seu lado competitivo aflorar. Na coletiva concedida após o jogo, ele ressaltou que não sentiu qualquer tipo de dor ou limitação e que está pronto para voltar a ajudar a Chapecoense dentro do Campeonato Brasileiro. Ele frisou a necessidade da equipe voltar a pontuar, já que no momento os catarinenses são apenas os primeiros fora da zona do rebaixamento, em 16° lugar, com 22 pontos - somente três a mais que o São Paulo, primeiro dentro da degola.

"O que tento passar é no sentido de poder celebrar a vida. Mostrar o prazer de viver, de trabalhar, decontinuar, de estar vivo. Prazer de fazer o que gosto. Hoje dei tudo que pude aqui dentro, mesmo que 30 minutos. Agora é tocar a vida. Quero curtir e aproveitar a carreira", resumiu.

A agenda da Chape na Europa tem amistoso contra o Lyon marcado para a próxima terça-feira na França e mais celebrações. É celebrando a vida que Alan Ruschell, Follmann e Neto seguem emocionando milhões - e orgulhando os 71 que já estão no céu.