Publicidade
Publicidade

O #Vasco da Gama vem vivendo momentos decisivos e críticos, tanto por parte da comissão técnica [VIDEO], como dentro de campo e principalmente no que diz respeito [VIDEO] a política e administração do clube. Um dos últimos grandes problemas enfrentado pela equipe cruzmaltina, foi a interdição do estádio Vasco da Gama, mais conhecido como São Januário. O estádio foi interditado pelo ministério publico desde o dia 08 de julho, quando o gigante da colina enfrentou o Flamengo, seu maior rival, no clássico dos milhões, em jogo valido pela 12ª rodada do Campeonato Brasileiro. Ao término da partida iniciou-se uma confusão generalizada, a qual membros de uma torcida organizada atirou rojões em direção a Polícia Militar do Rio de Janeiro e nos jogadores do Flamengo, a fim de impedir a sua retirada de campo.

Publicidade

Nesta última quinta-feira (10), o Pleno do STJD (Supremo Tribunal de Justiça Desportiva) resolveu manter a pena de 6 jogos de punição que foi anteriormente aplicada ao clube. Com a manutenção desta pena, o clube carioca que já cumpriu 3 jogos longe de São Januário, contra o Santos, Atlético Paranaense e Cruzeiro, poderia voltar a atuar em seu própio estádio, mas com portões fechados. Para que isso aconteça, os advogados do clube cruzmaltino já vão entra com um recurso no ministério publico, apresentando os laudos das novas reformas feita no estádio, laudos do corpo de bombeiros, e esperar julgamento quanto a liberação do estádio. Caso tudo ocorra bem, o reencontro da torcida com o time deverá ser em outubro, quando o Vasco enfrentará o Botafogo.

Manobra e crise política

Nos últimos anos, o Vasco da Gama tem vivido uma crise política sem precedentes, o que para muitos foi o principal motivo para que o clube caísse três vezes para a série B do Campeonato Brasileiro.

Publicidade

Os últimos grandes momentos do clube foram nas temporadas de 2011 e 2012, quando a equipe era presidida pelo ídolo e presidente do clube Roberto Dinamite.

Nestas temporadas, o Vasco sagrou-se campeão da Copa do Brasil de 2011 e foi vice-campeão da série A de 2011, quando encerrou o campeonato com 69 pontos conquistados em 38 jogos, com apenas 2 pontos atrás do campeão Corinthians, que encerrou a competição com 71 pontos. Ao final do campeonato, o clube sofreu um verdadeiro desmanche no elenco, e esse foi um dos principais fatores para que o presidente Roberto Dinamite deixasse o cargo.

Um dos principais culpados por esse desmanche foi o empresário Carlos Leite, que na época era o agente responsável pela maioria dos jogadores titulares da equipe. Já na atual administração do clube, o empresário é o principal parceiro do presidente Eurico Miranda, que na última quarta-feira, em uma manobra política, conseguiu estender a parceria com o empresário, tornando-o membro do Conselho Benemérito do clube.

Publicidade

Este ato revoltou a oposição política do clube, e principalmente a grande maioria dos torcedores, que pedem mudanças no comando administrativo do Vasco. O Cargo de Benemérito é de grande importância, já que são os membros deste conselho que homologam a chapa campeã das eleições. #Futebol