Publicidade
Publicidade

O Palmeiras [VIDEO] já se mexe para planejar o ano de 2018. O presidente Maurício Galiotte sabe que se não levar nenhum título na próxima temporada, dificilmente conseguirá se reeleger. Internamente, sócios já entendem que o trabalho da atual diretoria não é bom.

A Crefisa, atual patrocinadora, ainda aposta na competência do atual mandatário, mas também não conseguirá segurar as pontas por muito tempo. A empresa investiu mais de R$ 100 milhões [VIDEO] no time e trouxe reforços pedidos pela diretoria de #Futebol, como o caso de Miguel Borja que, sozinho, fatiou mais de R$ 30 milhões.

O planejamento visa o retorno de algumas peças que estão emprestadas.

Publicidade

João Pedro, por exemplo, é uma opção. Victor Luiz, do Botafogo-RJ, já chegaria com status de titular no Verdão e assumiria a posição. Émerson Santos, recém-contratado também do clube da Estrela Solitária, do Rio, está confirmado como substituto de Yerry Mina que, na próxima temporada vai vestir a camisa do Barcelona. Só não se sabe se antes ou após a Copa do Mundo da Rússia.

Carta na manga

Não é mais segredo que o #Palmeiras negocia e conversa com o meia atacante do Santos, Lucas Lima. O pai de Neymar é empresário do jogador e conversou com o atleta na concentração da Seleção Brasileira, em São Paulo. Ele tem uma proposta da China, mais especificamente do Hebei Fortune, no valor de R$ 75 milhões. São 20 milhões de euros na assinatura e mais 10 milhões por temporada jogada.

O Milan, da Itália, também tem proposta, porém, mais modesta.

Publicidade

Os italianos querem pagar 6 milhões de euros (R$ 22,5 milhões) para fechar negócio. O Palmeiras ainda está como mero expectador e aguarda a posição do empresário do atleta.

Para Modesto Roma, presidente do clube da Baixada, Galiotte afirmou que não tem interesse agora no negócio. Mas até o técnico Cuca garantiu que se ele não renovar com o Santos, interessa ao Palmeiras. Cuca, aliás, é o funcionário do clube que mais deseja que a contratação seja fechada.

O Verdão tem duas cartas na manga. A primeira é a vitrine disponível para o técnico Tite. No Brasil, Lucas Lima ficaria em evidência e se for bem com a camisa palmeirense, belisca a vaga para disputar a Copa do Mundo, o que valorizaria bastante seu passe fora do país.

Outro ponto interessante é o tempo de contrato: cinco temporadas. Isso garante estabilidade para o jogador, caso não deseje sair do país com pressa. Pode jogar no Palmeiras e cumprir seu contrato e com os recebimentos em dia.

A negociação ainda está embrionária, mas pode evoluir com o término do Brasileirão. Será que o Verdão ganha essa batalha? #Mercado da bola