O ser humano quando nasce não sabe distinguir o certo do errado, não tem noção de comportamento. Não sabe como agir. Com o decorrer do tempo, auxiliado por pessoas que o corrigem e mostram o caminho certo, aprende a viver.



Durante o percurso da vida questiona: Estou no caminho certo ou errado? Vou chegar ao meu destino?



Muitas vezes não consegue respostas para suas perguntas, o que o torna inseguro. Daí surgem outras perguntas: Será que caminhei até aqui à toa? Quem me indicou este caminho queria o meu bem?



O mesmo acontece com a criança. Ela caminha durante alguns anos, muitas vezes com orientações diferentes, seja do pai, da mãe, do (a) professor (a), do (a) catequista.

Publicidade
Publicidade

Com isto, cheia de dúvidas, as inseguranças surgem.



A tendência dela será a de seguir o caminho mais fácil. Por isto: Este é o bonzinho e aquele não. Aquele só quer o meu mal. É aí que mora o perigo. Nem sempre o que é gostoso é bom para nós. Nem sempre o caminho mais fácil é o melhor.



É importante que os pais e educadores apontem um único caminho. Pode até acontecer discordância. O cuidado que deve ser tomado é a orientação que chegará à criança, que deve ser firme e que possa gerar segurança.



Muitas vezes a orientação dura, mais cheia de amor e autenticidade, levará a criança a espernear muito, o que será melhor para ela. Nesta hora é sim, sim. Não, não. Não pode haver mudança de opinião. Orientações duplas, só geram insegurança e transtorno. Além do que, a criança começará a desconfiar dos próprios pais.

Publicidade

Perceberá que não são convictos. Passará a concluir que tudo na vida  é conseguido na base do choro. A realidade não é bem assim.   



Às vezes recebemos várias informações, inclusive de pessoas que não conhecem o caminho, para chegar em um determinado local e o prejudicado somos nós. Uma indicação errada não é boa para ninguém.   

#Educação

Os pais devem pedir sempre a sabedoria de Deus para educar seus filhos. Ninguém nasce sabendo ser pai ou mãe. Precisamos de muita humildade para, inclusive, pedir ajuda de pessoas competentes.