A primeira menstruação assusta muitas meninas. Pode acontecer a qualquer hora, em qualquer lugar. De repente aquele fiozinho de sangue começa a escorrer. Outras vezes a calcinha aparece suja. Lembro-me da minha primeira menstruação. Como fiquei assustada! Minha mãe nunca havia conversado comigo a respeito do assunto. Por outro lado fiquei com medo de contar-lhe o que estava acontecendo. Ora via como um machucado. Por outro lado pensava: Mas, como? Assustada, silenciei-me. Sentia medo de ter sido coisa séria, e que com isto precisasse ir ao médico.

Com algumas meninas não acontece diferente. Outras veem no momento um marco importante em suas vidas. Afinal das contas já não são mais crianças. Podem se considerar mulheres. A situação gerou mudanças. O corpo é capaz de gerar filhos. O momento marca toda menina. Por outro lado causa temor em certos pais. Responsabilidades devem ser encaradas nesta nova etapa da vida, além dos riscos, é claro.

São muitas as reações da família. Existem mães que comemoram e saem contando que a filha agora é "mocinha". Outras sentem pena da filha: "Coitada, agora ela vai ter cólica." "Vai sentir como é difícil ficar naqueles dias". Alguns pais não desejam mais abraçar a filha. Por outro lado a vigilância agora é intensa: nas amizades masculinas e saídas de casa.

As mudanças não acontecem somente no corpo. Acontecem também na cabeça. A vida é vista diferente. As relações também são diferentes. Além da menstruação há que salientar o corrimento, o crescimento dos seios, mudança de forma nas coxas, quadris e nádegas, surgimento de pelos. Chegou a hora de usar sutiã porque os seios agora podem ser apalpados. Algumas meninas encaram com normalidade o crescimento dos seios, outras tentam escondê-los através de roupas largas, ou mesmo através de sua postura corporal.

Afinal, nem todas têm facilidade em aceitar que já não são mais "menininhas". Talvez tenham que deixar de lado a boneca, a casinha, os brinquedos de criança. O que acho bonito nesta situação toda é que começa outra etapa na vida da menina, que agora passou a ser mulher.