Se não conseguirmos ligar o fogão de nossa casa, iremos ver o que está acontecendo. Pode ser que o botijão de gás esteja desligado. Se for este o problema iremos ligar o botijão. Para que o problema fosse resolvido, tivemos que tomar uma atitude simples. Tivemos que estar calmos, atentos à situação.

Principalmente quando deparamos com situações de doenças na nossa família, geralmente a nossa atitude é de desespero. Pedimos a Deus pela cura mas nossos pensamentos parecem estar longe da oração. Não conseguimos sequer, rezar. Parece que Deus encontra-se longe de nós. Se impusermos as mãos para a cura talvez ela não aconteça.

Publicidade
Publicidade

O nosso desespero está impedindo a ação de Deus. Devemos estar calmos, atentos à oração. O botijão de gás era a solução para o fogão que não acendia. A nossa tranquilidade é a solução para que a ação de Deus aconteça. Se não conseguimos rezar com fé, levados pelo desespero, devemos então chamar pessoas que possam ministrar a oração para o doente da família. A conexão entre nós e Deus deve estar perfeita. Devemos estar em harmonia com Deus. Se esta harmonia e conexão não estiver acontecendo, o ministro da oração irá nos auxiliar.

Assim como não adianta um botijão de gás cheio, se não houver um fogão ligado a este botijão. Não adianta toda ação poderosa, misericordiosa de Deus, se não estivermos preparados para sermos canais desta ação. Somente com o botijão ligado, o fogão poderá ser utilizado.

Publicidade

Somente em sintonia com Deus conseguiremos rezar. Quanto maior a sintonia, maior será a ação de Deus através de nós.

Um exemplo desta sintonia é a oração do publicano. Rezava assim, em pé afastado da multidão: "Ó Deus me protege pois sou um pecador." Seu desejo era de que somente Deus o ouvisse. Para ele bastava isto. Sua sintonia com Deus era tão grande, que compreendia perfeitamente quão misericordioso era Deus, e quão pecador era. Com o coração, mente, ligados em Deus, percebia naquele instante que somente a misericórdia de Deus lhe bastaria. Sua sintonia com Deus levava-o a entender ainda, de que deveria ser humilde, para que o perdão misericordioso de Deus prevalecesse.

Quando estamos em sintonia com Deus, reconhecemos nossa fragilidade, reconhecemos que devemos ser o fogão que necessita do botijão. Assim, nosso coração se abre ao Amor dEle. Nesta hora a ação poderosa e misericordiosa de Deus prevalece.