Um professor é, antes de tudo, um ser elevado. Talvez, não por mérito próprio, mas por questão de escolha. Escolha que o Criador faz, ao distribuir os talentos e as porções de capacidade de amar. A capacidade de amar é divina. Supera a todos os outros dons, devido à magnificência de sua grandeza, expressa em sua bondade, solidariedade, ausência de expectativa em receber recompensa, mas com vastidão em misericórdia, em compaixão e zelo. Por isso é eterno, como o Criador e suas criaturas, que ao receberem este magnífico dom, por intermédio da fé, usufruem o direito de serem chamados de filhos de Deus.

A quem foi dado o talento de lecionar, antes foi oferecida a capacidade de amar, em cujos vínculos se apoiaram diversos cidadãos, que tiveram o privilégio de adquirir, não somente a base, mas toda sorte de especificidade as quais puderam escolher.

Publicidade
Publicidade

Os vínculos afetivos são estabelecidos para desencadear o processo ensino aprendizagem. O professor está sempre buscando a formação destes relacionamentos, de modo a completar a preparação para o desenvolvimento de sua nobre função, juntamente com a busca incessante do conhecimento.

Perseguir e prezar a excelência dos resultados, também é um aspecto pelo qual o professor faz-se admirado, pois está sempre atualizando, renovando e reciclando os conteúdos a serem aprendidos e ensinados, e que proporcionam a expansão e proliferação do conhecimento.

Os resultados só podem ser cidadãos livres, aptos a resolver problemas, com liberdade de escolha e senso crítico apurado. Possibilidades amplas de aprimorar seus talentos e aplicá-los para o bem da sociedade; sociedade que, uma vez formada por indivíduos, transformaram-se em cidadãos, graças à atuação do nobre e tranquilo mestre.

Publicidade

Todo tipo de profissionais, da mão de obra manual, ao acadêmico intelectual; do mais singelo servidor, mesmo o que não foi à escola, teve um mestre a lhe transmitir algum conhecimento; ao mais importante pensador. Todos tiveram sua personalidade lapidada pelo professor.

Sociedade que ainda não aprendeu a retribuir o agora, pobre e estressado professor. Conhecimento e capacidade de amar, maturidade, dinamismo e sensibilidade. Está lá o professor, pronto a salvar um indivíduo, da ignorância e falta de humanidade. #Educação #Trabalho