Autocontrole e força de vontade são "virtudes" passíveis de ser aprendidas e aplicadas a desafios que vão desde perder peso a planejar-se para a aposentadoria, é o que preconiza o psicólogo Walter Mischel da Universidade de Columbia (EUA) em seu novo livro "The Marshmallow Test" ("O Teste do Marshmallow" em tradução livre). A linha de pesquisa do psicólogo é conhecida como a "tentação do marshmallow": por cerca de 50 anos, Mischel vem estudando crianças submetidas às opções de "comer um marshmallow já" ou "esperar uns 20 minutos para receber dois marshmallows". As crianças que optam por esperar por dose dupla da guloseima tornam-se melhores estudantes, conseguem melhores empregos, mantêm-se mais saudáveis e se sentem melhor consigo mesmas do que seus pares que optam por "um marshmallow já".

Publicidade
Publicidade

Em entrevista recentemente publicada pela revista "Science" a respeito do seu novo livro, o psicólogo descreve como o autocontrole e a força de vontade podem ser aprendidos e aplicados a desafios do dia-a-dia.

O potencial de autocontrole de um indivíduo se torna limitado à medida que aumenta o nível de estresse e o cansaço, diz o psicólogo. Mas há grandes diferenças de indivíduo para indivíduo em relação ao que ele pode realizar mesmo quando estressado ou cansado: pessoas exauridas podem despender quantidades enormes de energia se dispuserem de estratégias que as motivem a fazê-lo para atingir uma meta importante. Nesse sentido, Mischel exemplifica com sua própria bem sucedida estratégia para vencer o tabagismo.

Ainda segundo Mischel, faz-se necessário um foco científico renovado sobre a natureza da natureza humana.

Publicidade

Nos últimos 20 anos, tornou-se claro que a plasticidade do cérebro e do comportamento é muito maior do que se acreditava. Os pesquisadores precisam investigar condições ambientais e psicológicas que induzem modificações dramáticas de comportamento. #Educação #Livros #Dicas

Três segredos para o autocontrole

  1. Distraia-se. As crianças que esperam por dois marshmallows muitas vezes criam mentalmente histórias, cantam ou jogam jogos inventados;
  2. Faça planos "e se" e atenha-se a eles. Ex.: Se houver opção de sobremesa, não vou pedir bolo de chocolate. Quando o relógio der 5 horas, vou ler o texto;
  3. Mude sua perspectiva de tempo de "desejo imediato" para "consequências futuras negativas". Um fumante inveterado pode ver a si próprio como um futuro paciente de câncer submetido a radioterapia.